Deputados criticam mudança na Saúde e nova secretária é convocada pela ALE

Simone Papaiz já foi secretária em Mogi das Cruzes e Bertioga que juntas, somam 509.090 mil habitantes, não chegando a um oitavo da população do Amazonas que é de 4.144.597 milhões

Manaus – Parlamentares do Estado já manifestaram preocupação quanto a substituição no comando da Secretaria de Estado de Saúde (Susam) e cobram mais ações do governo do Estado. Em pronunciamento on-line, na manhã desta quarta-feira (8), o governador anunciou a saída de Rodrigo Tobias do cargo de secretário de Saúde. Em seu lugar, ele nomeou a biomédica Simone Papaiz que, até então, era secretária municipal de Bertioga. A troca ocorre no mesmo dia que o Ministério da Saúde anunciou que o Amazonas é o Estado com maior incidência de casos de coronavírus do País com 19,1 casos por 100 mil habitantes.

O deputado estadual Wilker Barreto (Podemos) afirmou que a nova secretária de saúde do Estado terá que prestar esclarecimentos na Assembleia Legislativa do Estado (ALE) sobre as ações do governo para o combate do novo coronavírus (Covid-19) no Amazonas. A convocação da nova titular da pasta, que irá substituir Rodrigo Tobias, atende a um requerimento de autoria conjunta do Líder da Minoria na Casa e dos deputados Dermilson Chagas (sem partido) e Serafim Correa (PSB), aprovado pela Casa Legislativa por 11 votos a favor e cinco contra.

O requerimento solicita que Simone detalhe aos parlamentares sobre as ações do governo para o enfrentamento da Covid-19 no Estado, que já contaminou 804 pessoas e já causou 30 mortes. Além disso, o documento pede que a secretária apresente informações de quantitativos de leitos de UTI, respiradores e fornecimento de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) aos profissionais de saúde que atuam no enfrentamento da pandemia.

“A nova secretária da Saúde precisa vir à Casa do povo para apresentar as estratégias para o enfretamento do coronavírus. Nós precisamos escutar dela o planejamento do Executivo para resolver o colapso na saúde pública do Estado. Existem vários questionamentos que precisam ser sanados para os deputados e a sociedade amazonense”, explicou Barreto.

O deputado Wilker Barreto adiantou que a nova secretária de Saúde já foi convocada pela ALE-AM (Foto: Divulgação/Assessoria)

O parlamentar ponderou, ainda, que a nova titular da Susam terá que se mostrar preparada o mais rápido possível, uma vez que vem do interior de São Paulo, onde comandava a Secretaria Municipal de Saúde de Bertioga, que soma pouco mais de 57 mil habitantes, número este muito menor que a população de alguns municípios do Amazonas.

“A secretária precisa imediatamente demonstrar que está pronta para assumir este desafio porque ela foi convidada, e não convocada pelo governo. Espero que ela possa usar do seu conhecimento e expertise para mostrar a solução para a saúde, porque o Amazonas está na lista da situação mais crítica de contaminação e não temos tempo para esperar”, finalizou Wilker.

Instabilidade

Já o deputado estadual Serafim Corrêa (PSB), vê a situação como preocupante a que a mudança gera instabilidade entre os profissionais da saúde e insegurança na população. “Vejo uma temeridade trocar o secretário, ou seja, trocar o piloto da embarcação no meio de uma tempestade. Considero um outro aspecto: a nova secretária está vindo do interior de São Paulo, de uma cidade chamada Bertioga, onde ela foi secretária municipal. Bertioga é um município pequeno, de 60 mil habitantes, e que equivale aqui ao município de Tefé. Ela aqui vai pegar a secretaria de Saúde de um estado que ela não conhece. Se soltar ela em Manaus, na zona leste, ela não sabe voltar para casa”, disse Serafim.

blank

A nova secretária de Saúde, Simone Papaiz (Foto: Reprodução/Facebook)

Serafim destaca que o Amazonas possui 4 milhões de habitantes distribuídos em 62 municípios, o que, segundo ele, foge da realidade administrada, até então, pela nova titular da Susam. “Entendo que o secretário Tobias não vinha dando os resultados que todos esperavam dele, isso aí é indiscutível, mas cabe ao governador nomear e demitir. Ele entendeu que trocá-lo agora por uma pessoa vinda de São Paulo seria melhor, mas isso vai gerar uma reação natural dos profissionais da saúde, em serem comandados por uma pessoa de fora”, avaliou o parlamentar.

Nesta quarta, a Fundação de Vigilância em Saúde (FVS) divulgou que subiu para 804 o número de pessoas infectadas pelo novo coronavírus (Covid-19) no Amazonas. Nas últimas 24 horas, Laboratório Central de Saúde Pública do Amazonas (Lacen-AM) identificou 168 casos novos da doença. Dos 804 casos confirmados, 712 são de Manaus e 92 do interior. O estado registra 30 mortes por Covid-19.

‘Quarentena’

O deputado estadual Ricardo Nicolau (PSD) alertou o fato da nova secretária ser de São Paulo e não ter cumprido período de quarentena por causa do alto índice de casos de Covid-19 naquele estado.
“A nova secretária de Saúde nem na rua poderia estar porque ela tinha que cumprir quarentena porque ela veio de São Paulo, um local com alto índice da doença. Infelizmente, também não conhece a rede (de saúde pública), não conhece os médicos, não conhece as pessoas. Estamos em uma situação gravíssima”, disse.

O parlamentar disse que as pessoas estão morrendo. “O sistema está em colapso mas não por falta de leitos. Estou cansado de falar e não ser ouvido. Estou cansado de ver o HUGV cheio de vaga e o povo morrendo, andar no Hospital 28 de Agosto parado. Estou cansado de ir no Hospital da Nilton Lins e não ter ninguém trabalhando”, disse o parlamentar

O vereador e presidente da Comissão de Saúde da Câmara Municipal de Manaus (CMM), Marcelo Seafim também criticou a substituição. “A nova secretaria não tem nenhuma experiência comprovada em grandes cidades. Bertioga é menor que Manacapuru e isso me preocupa bastante, além do fato que para a nova secretária de saúde Rio Negro e Solimões são apenas uma dupla sertaneja e isso é algo que deve angustiar a todos nós”.

Anúncio