Deputados retiram CPI da Pandemia para base governista assinar ‘CPI da Asfixia’

A medida dos parlamentares oposicionistas ao governo do Estado tem o intuito de pressionar a base governista a assinar a nova CPI da Asfixia

Manaus – Em Sessão Ordinária da Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam), desta quinta-feira (8) os deputados estaduais Wilker Barreto e Dermilson Chagas, ambos do Podemos, anunciaram a retirada do pedido de criação da CPI da Pandemia na Casa Legislativa. A medida dos parlamentares oposicionistas ao Governo do Estado tem o intuito de pressionar a base governista a assinar a nova CPI da Asfixia.

“Para que não paire dúvidas e para ajudar os colegas governistas a decidirem assinar a CPI, eu e o deputado Dermilson estamos retirando a CPI da Pandemia. Agora, não tem mais desculpa se vai investigar a Covid, a pandemia, a asfixia, para mim o título é indiferente, o tema eu deixo o Governo dar”, ironizou o parlamentar.

Vale frisar, que o deputado Wilker assinou a CPI da Asfixia após o aditamento de sua autoria, com coautoria do deputado Dermilson Chagas, ser aceito pelo autor da Comissão. Desta forma, foram ampliados os fatos e incluída a investigação de todos os contratos e gastos feitos pelo Executivo desde o início da pandemia, de março de 2020 até o fim das atividades da nova comissão.

Barreto ressaltou, ainda, que a CPI da Asfixia deve ser instalada em caráter de urgência na Casa Legislativa e aproveitou para cobrar dos seus pares mais assinaturas, que já conta com cinco: Delegado Péricles (PSL), Sinésio Campos (PT), Serafim Corrêa (PSB), além de Wilker e Dermilson.

“Faço um apelo aos deputados para que possamos iniciar, em caráter de urgência, os trabalhos de investigação da CPI, num gesto de respeito para com o povo do Amazonas e, especialmente, às famílias das 13 mil vítimas da Covid no Estado”, pontuou o deputado.

Anúncio