Deputados vão entrar no conselho de ética contra líder do governo no AM

O deputado Wilker Barreto, durante seu discurso, na tribuna, apresentou o pedido de representação, contra Darc, na Comissão de Ética da Assembleia

Manaus – Na manhã desta quarta-feira (9), durante reunião da Assembleia Legislativa do Amazonas (ALE) deputados criticaram as acusações feitas pela deputada Joana Darc, na última quinta-feira (3), em que a parlamentar acusou vários parlamentares de receberem R$200, 000 mil para votarem no colega Roberto Cidade, novo presidente da casa.

Durante seu pronunciamento na tribuna, a líder do governo, Joana argumentou sua fala com base no regime interno da casa, ela justificou que não precisava apresentar provas de suas falas. O 251 artigo da Aleam garante que denúncias sejam feitas pelos parlamentares, sem a presença de provas.

O deputado Wilker Barreto, durante seu discurso, na tribuna, apresentou o pedido de representação, contra Darc, na Comissão de Ética da Assembleia, presidida pelo deputado Sinésio Campos. A deputada também anunciou que acionaria o pedido contra Wilker, por quebra de decoro parlamentar.

Inconformados com a eleição de Roberto Cidade, deputados acusam o delegado Péricles de falsificação de documentos públicos, para legitimar a legalidade à eleição relâmpago na casa. Durante a reunião, dois deputados, Wilker e Péricles anunciaram que iriam ao Ministério Público do Estado (MPAM) denunciar as tentativas do governo do Amazonas de dominar as ações do parlamento.

Entenda

O deputado estadual Roberto Cidade foi eleito, no útlimo dia 03, como o novo presidente da Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas (Aleam) para o ano de 2021 e 2022. A base governista de Wilson Lima não aprovou a votação relâmpago, as deputadas Alessandra Campelo e Joana Darc chamaram o processo de votação como ‘golpe’. Joana Darc acusou Roberto Cidade de ter comprado votos por R$ 200 mil dos deputados para ser o novo presidente da Casa Legislativa.

Anúncio