Eduardo Braga defende aumento de auxílio a informais para R$ 350 durante pandemia

Benefício pode ajudar quase um milhão de amazonenses

Brasília – O portal do jornal O Estado de S.Paulo destaca, nesta terça-feira (24), a mobilização de senadores, como Eduardo Braga (MDB/AM), para elevarem de R$ 200 para R$ 350 o auxílio mensal que o governo federal deve conceder aos trabalhadores informais para enfrentarem a crise econômica provocada pela pandemia da Covid-19.

(Foto: Divulgação)

A proposta beneficia, pelo menos, 967 mil trabalhadores amazonenses que atuam na informalidade, entre os mais de 1,6 milhões registrados no Estado, em 2019, pela Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O número de pessoas que trabalham por conta própria no Amazonas o colocou como uma das três unidades da federação com os maiores percentuais de informalidade, ficando atrás somente do Amapá e do Pará.

O mesmo levantamento mostrou que, no último trimestre de 2019, a capital amazonense superou a média brasileira em relação ao número de trabalhadores informais. Enquanto a taxa do País alcançou 40,9%, em Manaus foi de 58,35%.

FAT

Na entrevista ao O Estado de S.Paulo, o parlamentar amazonense sugere que o recurso seja retirado do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT). “Já sabemos que tem na informalidade algo como 40 milhões de brasileiros. Imagina se o número for de 40 milhões de desempregados de carteira assinada e, com mais 40 milhões de autônomos buscando recursos, estamos falando de garantir renda mínima para 80 milhões de brasileiros”, disse Eduardo à reportagem.

O senador chamou atenção, ainda, para a crise que atinge as maiores empresas do Polo Industrial de Manaus (PIM), como a Samsung, que anunciou férias coletivas na segunda-feira (23). “É preciso socorrer as empresas, principalmente, as micro e pequenas. Elas não suportarão nem 15 dias eu creio”, disse. Horas depois da entrevista, a Moto Honda e a BMW, com fábricas em Manaus, anunciaram a paralisação de suas produções até abril.

Eduardo defendeu também que bancos públicos e privados criem uma plataforma desburocratizada para resolver o problema de capital de giro de curto prazo.

Negativos 

A reportagem informa que deram negativo os dois testes a que Eduardo se submeteu para verificar se estava como novo coronavírus devido a contatos anteriores com senadores contaminados.

Anúncio