Estado faz empenho milionário no Delphina

O Governo do Amazonas, por meio da Secretaria de Estado de Saúde (SES), empenhou R$ 37,6 milhões para entidades terceirizadas que prestam serviço no Hospital Delphina Aziz, em Manaus

Manaus – O Governo do Amazonas, por meio da Secretaria de Estado de Saúde (SES), empenhou, na semana passada, R$ 37,6 milhões para consórcio e instituto que gerencia o Hospital Delphina Aziz, na zona norte de Manaus. As contratações já foram alvos de críticas de parlamentares que veem com desconfiança os gastos milionários pago pelo Estado para terceiros ‘comandar’ a unidade de saúde referência para tratamento de doentes de Covid-19 em Manaus.

Apenas neste mês, o Estado empenhou R$ 22,8 milhões em favor do Instituto Nacional de Desenvolvimento Social e Humano (INDSH) e se refere ao sexto termo aditivo firmado com a organização para gerenciamento, operacionalização e das ações e execução de serviços de saúde no Complexo Hospitalar Zona Norte (o hospital Delphina Aziz) e a UPA Campos Salles.

No ano passado, o INDSH foi denunciado por improbidade pela CPI da Saúde (Foto: Divulgação/SES-AM)

O maior empenho para o INDSH foi registrado no último dia 19, no valor total de R$ 14,6 milhões e se refere ao prestação de serviço pelo período de um mês, em março.

No ano passado, o INDSH foi denunciado por improbidade pela CPI da Saúde. Em 29 de setembro, a CPI pediu o indiciamento de 16 pessoas apontadas como envolvidas em irregularidades em contrato firmado com a INDSH. Entre os citados até a própria Organização Social de Saúde, por atos de improbidade; além do ex-secretário de Saúde do Estado, também citado no relatório da Comissão por ato de improbidade.

De acordo com a CPI, em março de 2019, o INDSH foi declarado vencedor do certame promovido para selecionar entidade de direito privado sem fins lucrativos para gerenciar o Complexo Hospitalar Zona Norte. Ainda segundo o relatório, em abril deste ano, a O.S. recebeu R$ 16.919.822,78 por 320 leitos para tratamento e combate à Covid-19. Entretanto, apenas 203 leitos foram disponibilizados.

Zona Norte

Outro empenho milionário que chama atenção tem como beneficiário o consórcio Zona Norte Engenharia Manutenção e Gestão de Serviços. Também no último dia 19, a SES emprenhou R$ 16,8 milhões em favor do consórcio para ‘concessão Administrativa para a construção, fornecimento de equipamentos, manutenção, aparelhamento e gestão dos serviços não assistenciais do Hospital” Delphina Aziz.

O deputado estadual Wilker Barreto (Podemos) já mostrou indignação com os contratos e sugeriu, ainda, o cancelamento do contrato da INDSH e que o Estado assuma as operações da unidade hospitalar da Zona Norte.

Em tom duro, o parlamentar afirmou que o modelo de gestão aplicado na unidade hospitalar é um exemplo claro do descaso com dinheiro público e uma frieza contra a sociedade amazonense.