Ex-ministro Nelson Teich critica plano de vacinação contra Covid-19

Médico disse ser importante criar programa que acompanha as variantes do novo coronavírus, registrada em vários países

São Paulo – O ex-ministro da Saúde Nelson Teich criticou, nesta quinta-feira (14), o planejamento do governo federal sobre as fases da vacinação da população brasileira contra a Covid-19.“Precisa ser mais bem detalhado e trabalhado”, disse.

Entre os pontos levantados por Teich, estão: se é possível receber uma segunda vacina mais eficaz caso já se tenha tomado uma primeira; como decidir quem recebe a mais eficaz e se seria melhor esperar a chegada de uma vacina mais eficaz.

“A covid-19 tem uma gravidade diferente nos municípios brasileiros. Usar um critério para distribuição que leve em consideração apenas as características populacionais, sem levar em consideração as diferenças regionais relacionadas com a gravidade da doença seria um erro”, afirmou.

“A questão fundamental é como definir o volume, a frequência e a sequência ideal de distribuição das diferentes vacinas para os municípios brasileiros da forma mais eficaz para controlar a doença em todo país no menor tempo possível”, acrescentou.

Ex-ministro da saúde, Nelson Teich (Foto: Divulgação)

O ex-ministro da Saúde informou, ainda, que para definir a estratégia de distribuição é necessário obter os seguintes dados provenientes dos municípios: qual o volume de pessoas que necessita internação hospitalar, qual o número que precisa de atendimento em UTIs, quantas pessoas necessitam de ventilação mecânica ou outros recursos e quantas pessoas morrem nos serviços de saúde e em domicílio.

“Com as respostas para as perguntas acima vai ser possível entender as diferenças entre os municípios e definir com mais precisão as prioridades e a distribuição ideal de vacinas e insumos. Também será possível otimizar a distribuição dos postos de vacinação e os recursos humanos.”

Teich acredita ser importante ter um programa , “pelo risco de algumas delas poderem alterar a eficácia das vacinas”. No último domingo (10), o Ministério da Saúde divulgou informações sobre a nova cepa identificada no Japão em turistas que haviam chegado do Brasil. Segundo a pasta, a nova cepa possui 12 mutações, incluindo a encontrada no Reino Unido e África do Sul, que o torna mais transmissível.

Anúncio