Marcellus Campêlo torna-se réu na CPI da pandemia

O depoimento de Campêlo foi um dos mais aguardados pela CPI. Ele falou sobre os desvios de recursos federais destinados ao combate da pandemia no Amazonas

Brasília – O relator da CPI da Covid, senador Renan Calheiros (MDB-AL), anunciou, nesta sexta-feira (18), a lista com 14 pessoas que passam a ser investigadas pela comissão. O ex-secretário de Saúde do Amazonas, Marcellus Campelo, que já prestou depoimento para esclarecer sobre o colapso no Estado no início de 2021 na CPI, será um dos investigados.

Renan fez o anúncio de que testemunhas se tornariam investigadas no início desta semana, mas não havia divulgado os nomes. “Com relação a essas pessoas, contra os quais já acessamos provas e indícios, precisamos mudar o patamar da investigação, transformando-as em investigados”, justificou Renan Calheiros.

“É bom para a investigação e para a segurança jurídica para o próprio investigado”. Segundo o relator, os agora investigados “passam a ter direito a informações, provas e indícios que estão sendo juntados” pela CPI da Covid.

O ex-secretário já prestou depoimento na CPI do Senado (Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado)

São estas as 14 pessoas investigadas:

1. Marcelo Queiroga, atual ministro da Saúde;
2. Eduardo Pazuello, ex-ministro da Saúde;
3. Ernesto Araújo; ex-ministro das Relações Exteriores;
4. Fabio Wajngarten; ex-secretário de Comunicação;
5. Mayra Pinheiro; secretária de gestão e trabalho do Ministério da Saúde;
6. Nise Yamaguchi; médica do suposto gabinete paralelo de aconselhamento a Jair Bolsonaro;
7. Paulo Zanoto; médico que também aconselharia Bolsonaro;
8. Carlos Wizard; empresário que também faria parte do suposto gabinete paralelo;
9. Arthur Weintraub; ex-assessor da Presidência;
10. Francieli Fantinato Fontana; coordenadora do Programa Nacional de Imunização.
11. Elcio Franco; ex-secretário do Ministério da Saúde;
12. Marcellus Campelo, ex-secretário do Amazonas;
13. Helio Angotti Neto, médico que aconselharia Bolsonaro; e
14. Luciano Dias Azevedo, que seria o responsável pela minuta que sugeria a mudança da bula da cloroquina.

Na sexta-feira (18), a CPI do Senado ouviu dois médicos que defendem o tratamento precoce e votou 40 requerimentos, que tratam, entre outras coisas, da aprovação de uma reunião secreta com o ex-governador do Rio, Wilson Witzel, e a convocação do atual governador do estado, Cláudio Castro (PSC).

Depoimento

Ao depor na CPI, na última terça-feira (15), o ex-secretário de Saúde do Amazonas, Marcellus Campêlo, ficou sem repostas diante dos questionamentos do senador Otto Alencar (PSD-BA), durante a CPI da Covid, na tarde desta terça-feira (15), no Senado Federal.

Alencar fez perguntas que deixaram Campêlo sem palavras. “As perguntas mais banais vou formular aqui ao secretário e certamente ele não vai saber responder. Secretário, se o senhor fosse construir uma casa, o senhor contrataria um médico para fazer o projeto? Claro que não. Mas o governador (Wilson Lima) indicou um engenheiro para ser secretário de Saúde. Quando a doença começou, o senhor fez barreira sanitária? O senhor sabe fazer barreira sanitária?”, indagou o senador.

Anúncio