Médicos cooperados estão há quatro meses sem receber do Governo do AM

Médicos cooperados que prestam serviços em 12 unidades do Estado estão sem receber salários devido à falta de repasse

Manaus – Médicos cooperados que prestam serviços de clínica médica e pediatria em 12 unidades da rede pública do Estado do Amazonas estão sem receber salários há quatro meses, devido à falta de repasse do pagamento por parte do governo. A denúncia foi feita, nesta quarta-feira (6), pelo deputado estadual Wilker Barreto (Cidadania).

(Foto: Agência Brasil)

Segundo a denúncia recebida pelo deputado, aproximadamente 300 médicos cooperados contratados pelo Instituto Médico de Clínica e Pediatria do Estado do Amazonas S/S Ltda (IMED) estão há quatro meses sem receber seus vencimentos. Os profissionais relataram que, ao questionarem a empresa pelos motivos dos pagamentos em atraso, foram informados que o Governo não realizou nenhum repasse à cooperativa, o que para Barreto, é um exemplo claro da falta de gestão e negligência por parte do Executivo estadual.

“É justo um médico ficar quatro meses sem receber? Eles também têm contas a pagar, família, filhos, tudo. Como é que fica o psicológico de um profissional desses tendo que clinicar e cuidar da vida do próximo, isso aumenta o risco do erro médico. Lembrando que na pediatria hoje, nossas unidades de saúde infantil estão abarrotadas, com mães chegando às 10h30 e sendo atendidas depois das 14h”, disse Barreto.

Os profissionais especialistas atuam em 12 unidades de saúde do estado, sendo nos Serviços de Pronto Atendimentos (SPAs) José Lins, Zona Sul, Zona Norte, Alvorada, Chapot Prevost, Danilo Corrêa, São Raimundo, Coroado e Joventina Dias; nas Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) Itacoatiara e José Rodrigues e no Hospital e Pronto Socorro Platão Araújo, este em prestação de serviços em clínica médica para Covid-19.

Críticas

Ainda na tribuna, Wilker criticou a omissão do Governo diante dos constantes atrasos salariais na Saúde do Amazonas e aproveitou para voltar a cobrar a convocação do secretário estadual de saúde, Anoar Samad, à Casa Legislativa para prestar esclarecimentos acerca das problemáticas.

“É uma vergonha como se encontra a saúde do nosso Amazonas, com sucessivos contratos terceirizados em atraso, a informação que eu tenho é pura negligência e falta de interesse. Para outras coisas o governo é célere, paga com prioridade, mas para permitir que a saúde seja prioridade, é lento e omisso. O secretário de saúde precisa ser convocado a esta Casa”, criticou Wilker.

Anúncio