Ministério Público do Rio quer ouvir ex-mulher de Bolsonaro

MP apura suposto esquema de rachadinha e de uso de funcionários fantasmas na Câmara Municipal do Rio, no período em que Ana Cristina Valle foi chefe de gabinete do vereador Carlos Bolsonaro

Rio de Janeiro – O Ministério Público do Rio (MP-RJ) quer ouvir o depoimento de uma das ex-mulheres de Jair Bolsonaro em investigação que apura suposto esquema de rachadinha e de uso de funcionários fantasmas na Câmara Municipal do Rio. Ana Cristina Valle foi chefe de gabinete do vereador Carlos Bolsonaro (PSC), o filho “zero dois” do presidente, entre 2001 e 2008. A informação foi divulgada pelo jornal O Globo.

Carlos Bolsonaro (PSC) é o filho “zero dois” do presidente Jair Bolsonaro (Foto: Gabriela Bilo/Estadão Conteúdo)

O MP-RJ também investiga esquema semelhante na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) envolvendo o então deputado e atual senador Flavio Bolsonaro (sem partido). A promotoria elaborou um relatório de 111 páginas que explica, detalhadamente, os pontos de investigação contra o ex-assessor parlamentar Fabrício Queiroz e Flavio.

No relatório, o Ministério Público aponta que Ana Cristina Valle teve parentes nomeados para cargos de gabinete da família Bolsonaro quando ela viveu em união estável com o atual presidente, entre 1998 e 2008. O MP-RJ quer esclarecer como era desempenhado o trabalho deles na Assembleia, apesar de viverem em Resende, na região sul fluminense, a mais de 270 km da capital.

Até o fim da tarde deste domingo (5), o jornal O Estado de S. Paulo tentava contato com o advogado Magnum Roberto Cardoso, que representa Ana Cristina Valle, mas não foi atendido.

Anúncio