Nota da CGU mostra movimentações milionárias de Melo e ex-secretários

Nota técnica, a qual a REDE DIÁRIO teve acesso, indica que, entre dezembro de 2015 e junho de 2016, movimentações financeiras de Melo totalizaram crédito de R$ 3,649 milhões e débitos de R$ 3,604 milhões

Manaus – Movimentações financeiras suspeitas do ex-governador José Melo foram um dos motes para decretação de prisão temporária do ex-governador, na última quinta-feira (21), no âmbito da Operação “Estado de Emergência”, deflagrada pela Polícia Federal (PF).

José Melo foi preso, nesta quinta-feira (21), durante a operação ‘Estado de Emergência’, que investiga desvio de verba destina à área da saúde do Amazonas (Foto: Sandro Pereira)

Nota técnica da Corregedoria Geral da União (CGU), a qual a REDE DIÁRIO DE COMUNICAÇÃO (RDC) teve acesso, indica que as movimentações financeiras de José Melo, entre dezembro de 2015 e junho de 2016, totalizaram crédito de R$ 3,649 milhões, sendo R$ 3 milhões por meio de depósitos remetidos por Juruá Estaleiros Navegação Ltda., além de R$ 274 mil resgatados de previdência privada e R$ 268 mil de operações de crédito.

Os débitos do período totalizam R$ 3,604 milhões, sendo R$ 1,940 milhão aplicados em previdência privada; R$ 495 mil em pagamentos diversos; R$ 400 mil para compensação de cheques, dos quais R$ 200 mil foram para Emanuelle Vieira Lins Garcia, R$ 300 mil para a mulher do ex-governador Edilene Gomes de Oliveira e R$ 270 mil para operações de crédito, além de R$ 92 mil sacados em espécie.

Em outro trecho, a Nota cita movimentações “suspeitas e incompatíveis com o patrimônio”. “Das movimentações financeiras suspeitas para Edilene Gonçalves de Oliveira chama atenção o TED (Transferência Eletrônica Disponível) de R$ 300 mil que José Melo de Oliveira fez para Edilene”.

No inquérito do Ministério Público Federal (MPF), que faz parte dos autos do processo 14698-53.2017.4.01.3200, aparece uma lista de propinas. “É importante relembrar que principais Secretários de Estado do ex-governador estão presos, sob suspeita de receber propina a praticar crimes graves, dentre os quais o irmão do ex-governador, Antônio Evandro Melo de Oliveira, suspeito de ter recebido R$ 5 milhões desviados da saúde”, afirma o inquérito do MPF.

Em seguida, o documento apresenta a lista com ex-secretário e respectivos valores: Wilson Alecrim: R$ 3.363.500; Pedro Elias: R$ 1.680.661,37; Afonso Lobo: R$ 2.245.764,20; Raul Zaidan: R$ 249. 850; e, por fim, Evandro Melo: R$ 5.740.000.

“A respeito da prisão temporária de José Melo de Oliveira justifica-se que existem fundadas razões de sua autoria, consubstanciadas na informação policial do RIF (Relatório de Inteligência Financeira) acima descrito, dentre outros, do crime de associação criminosa, em tese, perpetrada e conjunto com Mouhamad Moustafa, Evandro Melo e outros ex-secretários, atualmente, presos”, afirma o MPF.

Anúncio
Anúncio