Operação Cachoeira Limpa, do MP-AM, cumpre mandados de busca e apreensão nesta segunda

O objetivo é levantar provas de crimes de fraude à licitação, peculato, lavagem de dinheiro e de organização criminosa em Presidente Figueiredo

Manaus – O Ministério Público do Amazonas (MP-AM), através do Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado (Gaeco), realiza na manhã desta segunda-feira (15) a operação Cachoeira Limpa, em cumprimento a ordem judicial de busca e apreensão e buscas pessoais deferidas pela Justiça. O objetivo é levantar provas que comprovem os crimes de fraude à licitação, peculato, lavagem de dinheiro e de formação de organização criminosa cometidos pelos investigados, que causaram aos cofres públicos do município de Presidente Figueiredo, entre 2017 a 2020, prejuízo estimado em R$ 23 milhões. A operação tem apoio da Polícia Civil.

Estão sendo cumpridos 13 mandados de busca e apreensão e 12 de buscas pessoais, nas cidades de Presidente Figueiredo, Parintins e Manaus, contando com um contingente de aproximadamente 80 policiais.

A operação é realizada em Manaus, Presidente Figueiredo e Parintins (Foto: Natasha Pinto/Divulgação)

De acordo com o MP-AM, os envolvidos combinaram frustrar ou fraudar o caráter competitivo de vários procedimentos licitatórios, com o intuito de enriquecer ilicitamente, em prejuízo ao erário municipal e dos princípios norteados na Lei de Licitação (Lei 8.666/93).

Os relatórios financeiros obtidos a partir da medida cautelar de quebra do sigilo bancário deferida pela Justiça revelam relação financeira suspeita entre as empresas que participaram dos mesmos certames licitatórios em Presidente Figueiredo.

A organização criminosa teve início na cidade de Parintins no ano de 2010 e já foi capaz de eleger um deputado estadual e um vereador na cidade de Manaus.

As investigações do Gaeco estão na fase final e logo serão remetidas ao Poder Judiciário.

Anúncio