Prefeito é contra monopólio de oxigênio

O metro cúbico de oxigênio em Manaus custa R$ 4,80. No restante do Brasil, esse valor é de, no máximo, R$ 2,50, explicou David Almeida. Ele ainda fez um alerta para a classe política

Manaus – O prefeito de Manaus David Almeida denunciou o monopólio da distribuição de oxigênio em todo Brasil, durante entrevista para a TV RECORD NEWS MANAUS, retransmitida simultaneamente pela RÁDIO DIARIO, nesta sexta-feira, 15. De acordo o prefeito, apenas uma empresa detém a exclusividade da distribuição, com regras criadas em Brasília. Para controlar os altos números de internações em Manaus, ele anunciou que as Unidades Básicas de Saúde (UBSs) já estão entregando medicamentos.

Declaração Almeida defendeu a livre concorrência no fornecimento de oxigênio (Foto: Dhyeizo Lemos/Semcom)

Almeida defendeu a livre concorrência no fornecimento de oxigênio, alertando que a crise em Manaus poderia ter sido revertida.

“Se nós tivéssemos a livre concorrência, com duas ou três empresas, Manaus não teria passado por esse vexame. Isso é um alerta não só para Manaus, mas para todo o Brasil. A empresa dita as regras do mercado”, alertou.
O metro cúbico de oxigênio em Manaus custa R$ 4,80. No restante do Brasil, esse valor é de, no máximo, R$ 2,50, explicou David.

Ele fez um alerta para que a classe política a nível nacional se mobilize para quebrar o monopólio.
“Os políticos deveriam trabalhar essas pauta, ao invés de ficar trabalhando questões políticas oportunistas, no momento a população quer mesmo é que os políticos vão às ruas resolvendo os problemas, como eu estou desde a madrugada e eu não vou parar até dar o melhor para a cidade. Vou brigar para quebrar esse monopólio”, disse.

A Prefeitura de Manaus está abastecendo os medicamentos nas UBSs, para garantir um tratamento inicial da Covid-19. “Estamos adquirindo para fazer a distribuição em massa para a população, não somente nas UBSs com atendimento à Covid, mas sim em todas. Estamos mobilizando esse grande movimento de distribuição de medicamentos, vitaminas, para garantir uma boa imunidade para a população”, disse David Almeida.

Atendimento

Na terça-feira, 12, o prefeito determinou a abertura de mais um ponto para atender os pacientes que se encontram no estágio inicial, ainda nos primeiros dias de sintomas, como forma de tentar evitar que evoluam e venham a precisar de leito hospitalar.

A secretária municipal de Saúde, Shádia Fraxe, disse que o novo espaço será fundamental para reforçar o atendimento precoce no combate ao vírus, que já matou mais de 3,7 mil pessoas na capital.“Aqui é um espaço de serviços de Atenção Primária. Alertamos as pessoas que não deixem que os sintomas agravem para procurar atendimento médico”, reforçou Shádia.

Anúncio