Presidente do Simeam se defende de ataque de parlamentares da ALE

Mário falou que pediu impeachment por não concordar com a forma que o governo estava conduzindo a Saúde

Manaus – O presidente do Sindicato dos Médicos do Amazonas (Simeam), Mário Vianna, concedeu entrevista coletiva, nesta sexta-feira (31), na sede do órgão que fica no Bairro Alvorada, Zona Centro-Oeste. Mário falou sobre os ataques sofridos pelos parlamentares que o acusam de ter feito o pedido de impeachment por ter pretensões eleitorais.

Nesta sexta, na votação do impeachment 10 votos foram a favor, quatro abstenções e apenas um voto contrário ao arquivamento. A votação agora vai para o plenário na próxima terça-feira (4). O pedido foi feito pelos médicos Mario Vianna e Patrícia Sichar, presidente e vice do Simeam.

Durante a sessão da Assembleia Legislativa do Estado (ALE), a deputada Mayara Pinheiro (Progressistas), falou que Mario Vianna era um médico frustrado. A deputada Alessandra Campelo disse que Mário recebe salário do IML sem trabalhar, e é cedido para a Secretaria de Sáude do Amazonas (Susam), mas não trabalha.

Mário falou que só faz o seu papel de cobrar os governantes (Foto: Divulgação)

Mário falou sobre as acusações dizendo que tem vários títulos como médico e só faz o seu papel de cobrar os governantes. “Eu nunca deixei de criticar um governo, mas todos os outros tinham uma forma de conversar e avaliar, mas esse governo é prepotente, principalmente o vice-governador, que falou mal e ofendeu a minha honra e da minha mãe. Por que eles estão em atacando assim? Por que não ficaram bravos com a polícia federal? Os deputados estão atrás dos seus negócios”, disse o médico.

Mário falou que entrou com o pedido de impeachment por não concordar com a forma que o governo estava conduzindo a saúde durante a pandemia do coronavírus. “As coisas foram escancaradas de uma maneira absurda. Comprar respiradores em uma casa de vinhos em plena a pandemia, onde pessoas estão morrendo e você vê esses desvios, é criminoso. Aí o sindicato não poderia se calar”, completou Vianna.

Viana contou que votou em Wilson Lima, mas que o governador e o vice não olharam pela Saúde do Amazonas e que o vice-governador, Carlos Almeida, que montou um esquema de desvios no Estado. “Acho que o governador tem a sua parcela de culpa, mas quem comandou a Saúde, por alguns meses, foi o Carlos Almeida que fez um grande estrago. Ele botou toda a gente dele lá na Susam, desde quem toma conta do cofre, que era o Perseverando, que foi preso. A arquitetura é do vice-governador, eu não tenho dúvida”, disse o presidente do Simeam.

Procurado pela reportagem, a assessoria de comunicação do vice-governador afirmou que “as afirmações (do presidente do Simeam) são extremamente levianas e criminosas e que as medidas legais serão tomadas”.