Proposta reserva vagas para mulheres em empresas de segurança privada

Conforme a proposta, a ideia é estimular a inserção da mulher no mercado de trabalho. Texto destina pelo menos 20% das vagas de trabalho em vigilância ostensiva e o transporte de valores

Brasília – A Câmara analisa o Projeto de Lei 10759/18, do deputado Vitor Paulo (PRB-DF), que pretende obrigar as empresas de segurança privada a destinar para mulheres pelo menos 20% das vagas de trabalho em vigilância ostensiva e o transporte de valores. O texto inclui dispositivo na Lei de Segurança Bancária (7.102/83).

Proposta reserva vagas para mulheres em empresas de segurança privada. (Foto: Yago Frota/Divulgação)

Conforme a proposta, a ideia é estimular a inserção da mulher no mercado de trabalho. “A segurança privada e de vigilância é um dos maiores e mais lucrativos segmentos da economia, mas ainda existe uma imagem de que esse segmento está atrelado à figura masculina”, diz Vitor Paulo. Segundo ele, o texto foi inspirado em proposta da ex-deputada Dalila Figueiredo (PL 3819/97).

Tramitação

A proposta tramita em caráter conclusivo e será analisada pelas comissões de Defesa dos Direitos da Mulher; de Desenvolvimento Econômico, Indústria, Comércio e Serviços; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

Anúncio