‘Quem ataca a Zona Franca não entende de economia’, diz Haddad durante visita a Manaus

Ex-candidato à presidência da República, Fernando Haddad (PT) esteve em Manaus nesta quinta-feira (23), onde teve agenda pública e reunião política com dirigentes partidários

Manaus – Com discurso em defesa da educação e do modelo Zona Franca de Manaus (ZFM), o ex-candidato à presidência da República Fernando Haddad (PT) esteve em Manaus nesta quinta-feira (23), onde teve agenda pública e reunião política com dirigentes partidários. No final da tarde, Haddad participou de ato público na Universidade Federal do Amazonas (Ufam), onde acompanhou apresentações culturais e fez discurso em tom de críticas ao governo de Jair Bolsonaro e em defesa da manutenção dos recursos para a educação. A visita faz parte da Caravana ‘Lula Livre’ que o ex-candidato está levando a diversos estados do País.

A visita de Fernando Haddad faz parte da Caravana ‘Lula Livre’, levada por ele a diversos estados do País (Foto: Reprodução/Ricardo Stuckert)

Acompanhado da presidente nacional do PT, Gleisi Hoffmann, o ex-candidato à presidência foi recebido por simpatizantes e participantes de movimentos sociais, além de alunos de outras instituições de ensino como a Universidade do Estado do Amazonas (UEA).

Durante o discurso, Gleisi Hoffman ressaltou obras dos governos petistas na área da Educação. “Foram 18 universidades construídas e mais de 150 campus universitários foram espalhados pelo interior País. Havia 3,9 milhões de matrículas e este número foi dobrado; a pós-graduação foi quadruplicada. As unidades técnicas e os nossos institutos federais: foram quase 500 construídos. Isto foi feito em 12 anos”, afirmou.

Em seu discurso, Fernando Haddad voltou a dizer que o ex-presidente Lula é um preso político e afirmou que o presidente Bolsonaro decidiu combater as universidades por ter medo de quem compõe as academias. “No golpe de 1964, tínhamos pouco mais de 200 mil universitários, e hoje são mais de oito milhões em todo o País. Então, ele (Bolsonaro) sabe da força que vocês (universitários) têm. Ele sabe a quantidade de professores e técnicos comprometidos com estas instituições de ensino. Ele decidiu combater a organização dos estudantes e dos trabalhadores para ver até onde pode impor a sua mentalidade retrógrada, atrasada, pré-moderna, que não dialoga com futuro nenhum”, criticou o petista, derrotado na eleição do ano passado.

Pela manhã, Haddad visitou a empresa Moto Honda, onde afirmou que a ZFM é fundamental para a região. “Quem ataca a Zona Franca não entende de economia. Como manter uma fábrica aqui em Manaus, com custo grande de logística para se trazer componentes e depois ter que exportar o produto manufaturado, sem incentivo fiscal? Se Bolsonaro fizer isso, vai acabar com a Amazônia. E sabe o que irá sobrar? Somente mineral e vegetal para extrair e desmatar. Irão gerar pobreza, em vez de riqueza”, disse.