Relatório da CPI da Saúde será encaminhado ao Senado por sugestão de deputado

O envio foi acertado após o deputado Dermilson Chagas (Podemos) solicitar que documentos fossem entregues aos senadores que farão parte da CPI da Pandemia

Manaus – Os documentos contendo os resultados da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Saúde, que investigou os gastos na Saúde de 2011 a 2019, serão encaminhados ao Senado para compor o conjunto comprobatório da CPI da Pandemia, que tem entre seus alvos investigar o Governo do Amazonas.

O envio do relatório foi acertado na manhã desta quarta-feira (14), após o deputado Dermilson Chagas (Podemos) solicitar aos membros da Comissão que os documentos fossem entregues aos senadores que farão parte da CPI da Pandemia. A sugestão de Dermilson Chagas foi acatada pelo presidente da CPI da Saúde, deputado Delegado Péricles (PRB) e recebeu apoio do deputado Serafim Corrêa (PSB), que também integrou a Comissão.

Deputado Dermilson Chagas (Podemos) (Foto: Danilo Mello / ALE)

A CPI da Saúde foi instaurada no dia 14 maio do ano passado, resultando na investigação de 50 pessoas, dentre elas a jornalista Carla Pollake, amiga pessoal de Wilson Lima e que se apresentava com cartão de visita confeccionado pelo Governo do Amazonas como se fosse servidora pública e participando de projetos executados pelo Governo do Estado, como o “Anjos da Saúde”.

A CPI da Saúde também fez o levantamento de várias irregularidades na área de Saúde da gestão Wilson Lima, como apontou Dermilson Chagas. “O relatório da CPI foi muito bem feito e encontrou vários indícios de irregularidades, como o contrato com a lavanderia na Nilton Lins, e a compra de respiradores em lojas de vinhos, entre outras”, comentou o parlamentar.

Além de Serafim Corrêa e Delegado Péricles, participaram da CPI da Saúde os deputados Fausto Júnior (relator), Wilker Barreto (membro), e Dr Gomes (membro).

Falta de resposta dos órgãos de controle

Dermilson Chagas também criticou, durante a sua fala na Tribuna, que os órgãos de controle não deram resposta nem aos parlamentares e nem à sociedade, que espera por um posicionamento dessas entidades públicas. Os documentos contendo os resultados do que foi apurado pela CPI da Saúde foram enviados ao Ministério Público do Estado do Amazonas (MPE-AM), Ministério Público Federal (MPF) e Procuradoria Geral da República (PGR).

“Eu cobrei, em outras ocasiões, inclusive da Tribuna, os resultados da investigação do Ministério Público. Se está sob sigilo, que mande pelo menos o número do processo para nós sabermos que está aberta a investigação. Nós, aqui, fizemos a nossa parte. E agora estamos cobrando dos órgãos de controle”, disse Dermilson Chagas.

CPI da Pandemia da Aleam

O deputado Dermilson Chagas também cobrou da Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas (Aleam) a instauração de uma CPI da Pandemia e justificou o seu pedido explicando que a CPI da Saúde tinha um objeto de investigação e que não incluiu, entre outros fatores relevantes, a crise de oxigênio que causou a morte de 31 pacientes, o aluguel de jato executivo, entre outras irregularidades da gestão Wilson Lima.

Dermilson Chagas argumentou que só o fato do Supremo Tribunal Federal (STF) determinar ao Senado a instauração de uma CPI para investigar o Governo Federal na gestão da crise sanitária, e que o Governo do Amazonas é um dos alvos dessa investigação, já é motivo mais do que suficiente para que a Aleam dê início ao processo no Amazonas também. “Fiscalizar o Governo é dever do parlamentar, é dever desta Casa. Então, nós precisamos dar uma resposta à sociedade o mais rápido possível”, disse Dermilson Chagas.