Seduc paga R$ 4,7 mi à contratos suspeitos

No início de 2019, a Seduc dispensou licitação e assinou contrato com a empresa de Gustavo no valor de R$ 32 milhões. Na época, o TCE mandou o órgão suspender a assinatura do contrato

Manaus – Apenas em 2021, a Secretaria de Estado de Educação (Seduc) já desembolsou R$ 4,7 milhões em pagamentos a empresa Bento Martins de Souza, apontada de envolvimento em contratação irregulares na secretaria. Bento Martins fornece lanche para escolas de rede estadual de ensino em Manaus.

No início de 2019, a Seduc dispensou licitação e assinou contrato com a empresa no valor de R$ 32 milhões. Na época, o Tribunal de Contas do Estado (TCE) mandou o órgão suspender a assinatura do contrato com a G.H. Macário Bento e com a Bento Martins de Souza. Ambas são fornecedoras de almoço e merenda escolar.

A empresa Bento Martins de Souza tem ligação familiar com a empresa G. H. Macário Bento, alvo da operação ‘Eminência Parda’ (Foto: Michell Mello/Secom)

Os pagamentos foram efetivados na gestão do secretário de Estado de Educação Luis Fabian Pereira Barbosa e, do total pago, em 2021, foram R$ 4.176.402,82 de anos anteriores e outros R$ 570.766,73 referentes a este ano.
A empresa Bento Martins de Souza tem ligação familiar com a empresa G. H. Macário Bento, alvo da operação

‘Eminência Parda’, deflagrada em junho de 2019 pela Polícia Federal. Na época, o delegado Alexandre Teixeira revelou que as investigações apuravam que a empresa do ramo de alimentos, era utilizada para desvios de verbas públicas destinadas a Saúde. Os valores eram desviados do Instituto Novos Caminhos e entregues pelo médico Mohamed Mustafa, administrador da empresa. Uma mulher, presa na operação, atuava como auxiliar direta do empresário e ajudava no recebimento do dinheiro.

Na última sexta-feira, 9, o GRUPO DIÁRIO DE COMUNICAÇÃO publicou matéria revelando que empresário ligado ao ex-governador do Amazonas José Melo, cassado em 2017 por compra de votos, ganhou ‘agrado’ da Secretaria de Estado de Educação (Seduc) em forma de pagamentos que totalizam R$ 7,6 milhões.

Os valores foram liberados em um único dia pela gestão do secretário de Estado de Educação, Luis Fabian Pereira Barbosa, no dia 15 de março, e realizados em quatro pagamentos à Aliança Serviços de Edificações e Transporte Ltda., cujo sócio proprietário é o empresário Francisco Sampaio Neves, o ‘Chaguinha’.

Alvo de investigação da Polícia Federal (PF) em 2016, ‘Chaguinha’ foi apontado, na época, como o operador de um esquema de corrupção para eleger Melo, em 2014. Segundo relatório da PF, a Aliança Serviços de Edificações e Transportes Ltda. – que doou R$ 600 mil, via comitê estadual, para a campanha eleitoral de reeleição do governador do Amazonas, José Melo (PROS) – multiplicou por dez o faturamento anual na Secretaria de Estado de Educação (Seduc). Desde 2010 até 2014, a empresa teria recebido R$ 180.843.071,30.

Anúncio