Senadores rechaçam Campêlo ao dizer que oxigênio só faltou dois dias em Manaus

Marcellus Campêlo disse que a falta no fornecimento de oxigênio na rede estadual de Saúde perdurou apenas nos dias 14 e 15 de janeiro

Manaus – O ex-secretário Marcelus Campêlo foi veementemente contestado no depoimento da CPI da Covid ao dizer, há pouco, que a falta no fornecimento de oxigênio na rede estadual de Saúde perdurou apenas nos dias 14 e 15 de janeiro e justificou que as internações passaram de 2,2 mil na primeira onda para 7,2 mil na segunda.

O senador Eduardo Braga (MDB-AM) imediatamente contestou Campêlo, enquanto que o presidente da CPI, senador Omar Aziz (PSD-AM), fez uma interrupção na fala de Braga para dizer que as imagens sobre a falta de oxigênio eram diárias “Pessoas dentro do hospital com balão na mão. Não foram só dois dias”, disse Omar. “Concordo com o senador Braga”, completou.

Em seguida, o senador Braga protestou contra o depoimento de Marcellus: “Eu não aguento mais mentira nesta CPI. Não foram só dois dias pelo depoimento das pessoas. Enquanto isso, nossos irmãos amazonense morriam. Vejam o que as pessoas dizem nos vídeos”, disse, ao pedir a exibição de uma coletânea de matérias dos principais veículos de comunicação do País, em janeiro.

Entre as matérias exibidas estava uma veiculada pelo programa AMAZONAS DIÁRIO, da RECORD NEWS MANAUS, do GRUPO DIÁRIO DE COMUNICAÇÃO (GDC), em que vários parentes de pacientes denunciavam revoltados a falta de oxigênio, com depoimentos emocionantes, na frente dos hospitais da rede estadual de Saúde.

***Mais informações em instantes***

Anúncio