Serafim questiona Wilson por deixar de aderir ao pacto de governadores contra Covid

Segundo Serafim, nada justifica a decisão de Wilson Lima (PSC) de não aderir ao pacto nacional de governadores para o enfrentamento da pandemia da Covid-19

Manaus – O deputado estadual Serafim Corrêa (PSB) afirmou na manhã desta quinta-feira (11), durante a sessão híbrida da Assembleia Legislativa do Estado (ALE), que nada justifica a decisão do governador Wilson Lima (PSC) de não aderir ao pacto nacional de governadores para o enfrentamento da pandemia da Covid-19.

Serafim alertou que os Estados brasileiros vivem o momento mais grave da pandemia e que dos 27 governadores, 22 aderiram ao Pacto Nacional pela Vida e pela Saúde. No documento, os chefes do Executivo estadual defendem três pilares para enfrentamento da pandemia: expansão da vacinação, apoio a medidas restritivas e apoio aos Estados para manutenção e ampliação de leitos.

“Eu entendo que o Governo do Amazonas não pode ficar fora de uma frente que de 27 governadores se já tem 22. Governador fica ao lado de governador quando a causa é nobre. Nada justifica que o nosso governador, Wilson Lima, não tenha se integrado a esses 22 governadores”, avaliou o deputado.

Para Serafim, nada justifica a decisão de Wilson Lima de não aderir ao pacto nacional de governadores para o enfrentamento da pandemia (Foto: Divulgação / Ascom)

Segundo o líder do PSB na ALE, a postura adotada por Wilson Lima pode representar um isolamento perigoso para o Amazonas, que teve o apoio de outros governadores durante o pico da segunda onda do novo coronavírus, que receberam pacientes do Estado.

“Eu estou aqui fazendo uma crítica aberta, de frente, política, de que isso é ruim para o Amazonas, porque foram esses governadores que deram as mãos ao nosso Estado quando estávamos na crise causada pelo novo coronavírus, também causada pela nossa falta de organização, de previsão”, avaliou.

Criação de comitê

Os governadores, de acordo com Serafim, sugerem ainda a criação de um comitê gestor para conduzir as ações referentes ao enfrentamento da pandemia.

“A responsabilidade dos governadores é muito grande. Há um buraco pela falta de coordenação e de ação e quando há alguma ação ela é muito atrapalhada, complicada por parte do governo federal”, completou o parlamentar.

Além de Wilson, não aderiram ao pacto nacional os seguintes governadores: Ratinho Junior (PSD-PR); Cláudio Castro (PSC-RJ), Marcos Rocha (PSL) e Carlos Moisés (PSL-SC).