STJ adia julgamento de denúncia contra Wilson Lima

Ainda não há data marcada para a realização do julgamento que poderá afastar o governador do Amazonas de seu cargo

Manaus – O Superior Tribunal de Justiça (STJ) adiou o julgamento de ação penal, que estava prevista para acontecer nesta quarta-feira (30), envolvendo o governador do Amazonas Wilson Lima e mais 17 pessoas acusadas pelo Ministério Público Federal (MPF) por irregularidades na compra de ventiladores pulmonares.

A reportagem do GRUPO DIÁRIO DE COMUNICAÇÃO (GDC) apurou que o adiamento foi motivado pela apresentação de novos documentos à ação penal por parte do Ministério Público Federal (MPF). Ainda não há data marcada para a realização do julgamento que poderá afastar o governador Wilson Lima de seu cargo.

Wilson Lima (PSC), governador do Amazonas (Foto: Hélvio Romero/Estadão)

É o segundo adiamento na ação penal. No último dia 2, o julgamento foi suspenso porque Lima foi alvo de operação da Polícia Federal (PF). Os investigadores indicam possíveis fraudes em contratos assinados em janeiro de 2021. A Secretaria de Estado de Saúde é suspeita de ter realizado contratações fraudulentas para favorecer empresários locais. As contratações seriam orientadas pelo governo do Amazonas.

Durante a sessão da Corte Especial do STJ, a subprocuradora Lindôra Araújo afirmou que um dos alvos da busca, o empresário Nilton Consta Lins Júnior, dono do Hospital Nilton Lins, recebeu a PF a tiros. Disse que foi uma situação “bastante constrangedora e perigosa”.

A subprocuradora-geral da República, Lindôra Araújo, afirma no documento que instalou-se no Governo do Amazonas, sob o comando de Wilson Lima, “uma verdadeira organização criminosa que tinha por propósito a prática de crimes contra a Administração Pública, especialmente a partir do direcionamento de contratações de insumos para enfrentamento da pandemia, sendo certo que, em pelo menos uma aquisição, o intento se concretizou”.

Anúncio