Suspeita de grampo da Seai chega ao MP-AM

Deputados de oposição fazem pedido ao órgão ministerial que apure indícios de grampos ilegais. Para Wilker Barreto, o governador Wilson Lima desconhece as eventuais irregularidades

Manaus – Os deputados estaduais Wilker Barreto (PHS) e Dermilson Chagas (PP) pediram, nesta quarta-feira (5), que o Ministério Público do Amazonas (MP-AM) investigue suspeitas de grampo telefônico ilegal com uso do ‘Sistema Guardião’, no âmbito da Secretaria Executiva-Adjunta de Inteligência (Seai). Há suspeita que o órgão esteja monitorando, de forma irregular, os deputados de oposição na Assembleia Legislativa do Estado (ALE), que pedem uma perícia do MP-AM no sistema de escuta.

Os deputados se reuniram com procuradora-geral de Justiça Leda Mara Nascimento Albuquerque e relataram sobre as suspeitas de monitoramento da parte servidores da Seai.

“Caso a investigação iniciada por Vossa Excelência termine com a comprovação fática da existência de ‘grampo ilegal’, resta claro o cometimento de falta grave por parte dos envolvidos, sendo eles agentes estatais que utilizaram de meios escusos por intermédio de emparelhamento estatal para interferir, bem como obter informações por meio ilegal do líder da oposição ao atual governo”, cita o documento.

Reunião entre os deputados Wilker Barreto e Dermilson Chagas com os procuradores Fábio Monteiro e Leda Mara

Em outro trecho da solicitação, os parlamentares de oposição citam que, apenas um juiz pode determinar uma interceptação telefônica, por iniciativa própria, ou a pedido de uma autoridade policial em caso de investigação, ou ainda por representante do Ministério Público.

“Existe uma forma ilegal, de tal prática de espionagem, qual seja a gravação telefônica clandestina, utilizada no Brasil que utiliza como modus operandi, a chamada ‘barriga de aluguel’, termo vulgar usado para a seguinte operação querem interceptar um advogado, ou um político, por exemplo, e, para isso, utilizam um pedido num inquérito policial onde se investiga tráfico, coloca-se lá ‘traficante fulano de tal’, mas ao invés de inseri o número desse traficante inserem o número da pessoa ou autoridade”, consta no documento apresentado ao MP-AM.

Procurado pelo GRUPO DIÁRIO DE COMUNICAÇÃO (GDC), o deputado Wilker Barreto disse haver indícios de monitoramento ilegal de ligações telefônicas. “Há fatos que levam a crer que o aparato do Estado esteja sendo usado de forma ilegal. A questão, neste caso, é o abuso de autoridade”, afirmou.

Para Wilker Barreto, o governador Wilson Lima não tem conhecimento desse monitoramento e que não indícios do envolvimento do chefe do Executivo. “Formalizamos o caso ao MP-AM e tenho certeza que serão dados os devidos prosseguimentos”, disse.

Para o deputado Dermilson Chagas as suspeitas são baseadas em conversas que surgem e que deveriam ser sigilosas. “De repente, aparece um assunto suspeito. Estes fatos nos faz desconfiar haver alguém ouvindo de forma ilegal as conversas dos deputados de oposição”, frisou o parlamentar.

No ano passado, o ex-governador do Mato Grosso Pedro Taques (PSDB) perdeu a eleição após confissão feita pelo cabo da Polícia Militar, Gerson Luiz Ferreira Corrêa Júnior, no processo criminal que apura o esquema de interceptações telefônicas ilegais, escândalo que ficou conhecido como ‘Grampolândia pantaneira’. Segundo o militar, o governador de Mato Grosso sabia do esquema de grampos de telefones de políticos da oposição, empresários e jornalistas.

Clique aqui e confira o requerimento dos parlamentares.

Suspeita de grampo na Seai chega ao MP-AM

Suspeita de grampo na Seai chega ao MP-AM. #D24AM

Posted by D24am on Thursday, June 6, 2019

Anúncio