Venezuelanos que moram em Manaus contestam reeleição de Maduro: ‘vai ficar pior’

Duramente criticada pela oposição, a reeleição do líder venezuelano foi rejeitada pelo Brasil e mais 13 países. Na capital amazonense, imigrantes se dizem preocupados com familiares que vivem no País

ManausA reeleição de Nicolás Maduro, ocorrida neste domingo (21), foi duramente criticada pela oposição e rejeitada pelo Brasil e outros países, tendo sua legitimidade contestada. Venezuelanos que residem em Manaus se dizem insatisfeitos com o resultado e conversaram com a reportagem da REDE DIÁRIO DE COMUNICAÇÃO (RDC) sobre as dificuldades vividas no País.

Venezuelanos opinam que dificuldades enfrentadas no País vizinho tendem a piorar (Foto: Reprodução/Record News Manaus)

A assistente social Maria Elisa conta que se sente triste com o resultado, devido as dificuldades que o País tem passado. Ela está no Brasil há cinco meses e chegou em Manaus há cerca de 15 dias. “Eu fico muito triste, pois, se já estava ruim, vai ficar ainda pior. Lá, nós trabalhávamos um mês para conseguir comprar um quilo de arroz”, disse.

Na Venezuela, Maria afirma que morava com o marido e mais três filhos. O marido dela, o policial Douglas de Jesus Padrino, também lamentou a reeleição de Maduro, pois parte da família dele ainda reside na Venezuela, onde continuam passando necessidades, além da dificuldade para a compra de alimentos básicos.

O casal, que vivia na Cidade do Tigre, relatou, ainda, que dois de seus filhos permanecem lá. “Com o pouco que eu ganho aqui, eu não consigo mandar dinheiro pra lá. Na Venezuela, para comprar leite ou açúcar, eu precisava trabalhar um mês. O meu filho precisava de um sapato e eu precisaria trabalhar por dois meses. Se eu comprasse o sapato, não compraria mais nada, nem comida”, relatou o policial.

A camareira Luiza Maria veio para Manaus com quatro filhos e o marido. A venezuelana também foi contra a reeleição. “Eu vim em busca de melhores condições de vida para mim e para minha família. Mas eu sinto muito pelos meus familiares e por todas as pessoas que estão na Venezuela”, disse.

Críticas

A eleição de Maduro foi duramente criticada pela oposição e com elevado índice de abstenção. De acordo com a imprensa oficial, ele obteve 67,7% dos votos, enquanto o segundo colocado Henri Falcón conseguiu 21,1%. Maduro está como presidente da Venezuela desde 2013.

O governo brasileiro, ao lado do Grupo de Lima, afirmou que não reconhece o resultado da eleição na Venezuela, na qual o líder Nicolás Maduro foi declarado vencedor neste domingo (20). O Itamaraty alega que a votação não ocorreu “em conformidade com os padrões internacionais de um processo democrático, livre, justo e transparente”.

Anúncio