‘Você come bolacha com suco?’, dispara Alberto Neto a David Almeida sobre merenda escolar

Segundo o vereador Capitão Carpê (PL), a merenda escolar de Manaus recebe uma verba federal e um orçamento de R$ 2,3 bilhões

Manaus –  O deputado federal Capitão Alberto Neto (PL), pré-candidato a prefeitura de Manaus, cobrou do prefeito David Almeida sobre a qualidade da merenda escolar da rede municipal de educação que, segundo ele, está consistindo apenas de bolacha com suco.

(Foto: Montagem Ramon Arcanjo GDC)

A fala de Alberto Neto veio durante o lançamento oficial da pré-candidatura a vereador de Manaus, do capitão Carpê (PL). “Prefeito, na tua casa tu come bolacha cream cracke com ki suco? A tua família está comendo isso? Estão roubando as merendas das nossas crianças. Não tem outro nome. Porque tem recurso para isso. Estão colocando bolacha cream craker com ki suco. Quando não tem transparência, tem corrupção. É uma humilhação porque nós pagamos os nosso impostos. Era para ter escolas de tempo integral na maioria da nossa cidade. Era para ter robótica , era para os nosso filhos estarem aprendendo a linguagem dos computadores para conseguir um emprego la na frente”, declarou Alberto Neto.

No dia 28 de maio,  o vereador Capitão Carpê (PL) já tinha defendido também melhorias na merenda escolar. Durante a fala, o parlamentar fez uma dinâmica com bolacha e suco, itens da merenda escolar municipal alvos de críticas.

Segundo os cálculos de Carpê, uma merenda escolar composta por cinco bolachas e um suco de 200 ml custaria em torno de R$ 2,03 por aluno.

“Essa é a merenda da vergonha. É inaceitável que com verba federal e um orçamento de R$ 2,3 bilhões, a Semed(Secretaria MunicipaL de Educação)  sirva uma merenda escolar precária. Estamos falando de crianças carentes que infelizmente é a principal refeição do dia é na escola”, afirmou.

Considerando os alunos da rede municipal e o ano letivo, o vereador chegou a conclusão de que a merenda com essa composição custaria aos cofres públicos R$ 5 milhões.

O parlamentar reforça ainda que em contrapartida, o valor do Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) repassado à Prefeitura de Manaus gira em torno de R$ 24 milhões, que mensalmente permitiria à Semed investir R$ 2,4 milhões por mês (considerando o ano letivo de 10 meses).

Dessa forma, para Carpê, o valor da verba federal seria mais que suficiente para oferecer merenda escolar completa, sem haver a necessidade de entrar no cardápio alimentar das crianças apenas  bolacha e suco.

Anúncio