Wilker Barreto diz que Estado precisa organizar as contas públicas

Barreto foi o entrevistado desta terça-feira (25), na série de sabatinas da REDE DIÁRIO DE COMUNICAÇÃO (RDC) com os candidatos a governador do Amazonas

Manaus – O presidente da Câmara Municipal de Manaus (CMM), Wilker Barreto (PHS), em entrevista ao programa DEZ NA TV afirmou que o Governo do Estado está administrando o dinheiro público de forma incorreta levando o Amazonas para um colapso financeiro. Barreto foi o entrevistado desta terça-feira (25), na série de sabatinas da REDE DIÁRIO DE COMUNICAÇÃO (RDC) com os candidatos a governador do Amazonas.

Durante entrevista, Wilker diz que vai “pôr para funcionar o que tem” no Estado (Foto: Sandro Pereira)

 

De acordo com ele, o contrato firmado com a empresa Umanizzare Gestão de Presídios é um símbolo de desperdício que se arrasta na gestão pública. Ele declarou que é inaceitável o governo pagar R$ 425 milhões ao sistema prisional, e que o caminho para uma melhoria na economia é o realinhamento de contratos. “Temos outros 100 contratos com o Estado, que passam dos R$ 100 bilhões de reais. Se eu realinhar em 15% esses contratos eu levanto R$ 450 milhões para o Amazonas”, disse Barreto, ao ressaltar que praticou o realinhamento de contratos em sua gestão na Câmara Municipal.

Acompanhe a entrevista do candidato no DEZ NA TV desta terça

 

Conforme o candidato, se o Estado não reordenar as contas públicas, em dez anos as finanças entrarão em colapso. Por isso, ele afirma que uma das prioridades de governo da sua gestão, caso seja eleito, será ‘pôr para funcionar o que tem’, em todas as áreas do Estado, como Saúde, Educação, Segurança e infraestrutura.

“Temos que realinhar os custos da maquina pública e por para funcionar o que temos. Eu não posso prometer uma delegacia para uma cidade do interior se a que já existe não está funcionando. Isso vale para as unidades de saúde. Se eu for eleito, a estrutura que temos vai funcionar de maneira ágil e completa”, disse.

Ele questionou o alto orçamento da saúde publica que, de acordo com ele, gira em torno de R$ 15 bilhões a ano, e fez um comparativo com os serviços prestados ao cidadão. “É Inadmissível com um orçamento desse o Estado entregar à população um sistema de saúde de terceiro mundo, todo sucateado. Um lugar que não se encontra nem esparadrapos, além de sofrer com a grande falta medicamentos”, lamentou.

Barreto afirmou que a valorização dos policiais será um dos pilares da melhoria da segurança pública, assim como a valorização dos servidores da educação, que segundo ele, são primordiais.

Para gerar emprego e renda o candidato pretende apostar no setor primário investindo massivamente na cadeia alimentar para que os produtores rurais do Estado tenham ganhos e sejam ativos na geração de emprego, além de, segundo ele, melhorar o consumo de alimentos produzidos no Amazonas.

Anúncio