Wilson Lima mantém coronel Louismar Bonates na SSP-AM

Carlos Almeida disse, em entrevista à RADIO DIÁRIO 95,7, que Wilson Lima determinou a suspensão da exoneração de Bonates por telefone

Manaus – O governador do Amazonas, Wilson Lima (PSC), retornou à Manaus nesta quinta-feira (22) e manteve o secretário de Segurança Pública, coronel Louismar Bonates, no cargo de titular da pasta. O secretário foi exonerado pelo vice-governador, Carlos Almeida, na tarde da última quarta-feira (21).

Por telefone, Wilson Lima manteve o coronel Louismar Bonates à frente da SSP (Foto: Reprodução / Twitter)

O vice-governador do Amazonas, Carlos Almeida, informou na manhã desta sexta-feira (23), durante entrevista à RADIO DIÁRIO 95,7, do GRUPO DIÁRIO DE COMUNICAÇÃO (GDC), que o governador Wilson Lima determinou a suspensão da exoneração de Bonates, por telefone.

Segundo Carlos Almeida, a decisão de exonerar Louismar Bonates partiu das consecutivas falhas e escândalos envolvendo a cúpula da SSP. Além da crise instaurada com o domínio da criminalidade no Estado, também ocorreu a prisão de um dos principais membros da pasta, o secretário de Inteligência da Segurança Pública, Samir Freire, durante a operação ‘Garimpo Urbano’. Segundo o Ministério Público do Estado do Amazonas (MPE-AM), os suspeitos utilizaram o aparelhamento do Estado para a prática de crimes.

O vice-governador disse ainda que as todas as discussões apontavam para uma atuação extremamente nebulosa da SSP, em especial de Bonates, pontuando a falta de ação do governador do Amazonas.

“Era obrigação do governador do Estado do Amazonas, a despeito de toda a sua falta de conhecimento da administração ou deficiência de gerenciamento, fazer uma medida de moralização e dar um exemplo de que não concorda com a atuação irregular do funcionamento da máquina Estado. E por isso deveria, como exemplo, ter feito a exoneração do seu secretário. E não fazendo isso, é obrigação de qualquer um fazer”, disse Almeida.

Nota

Carlos Almeida divulgou uma nota na tarde de quinta-feira (22) e disse que os servidores que se opusessem ao cumprimento da ordem poderiam sofrer medidas administrativas. O então governador em exercício ressaltou ainda que as acusações de fraude por parte da equipe de Wilson Lima demonstram total desconhecimento da legislação.

“Eu fico até espantado, porque eu não consigo compreender o motivo pelo qual o secretário permanece no cargo, tendo o Ministério Público apontado o mesmo como epicentro da crise na segurança pública do Estado”, disse Almeida.

“Existe uma demonstração sólida da impossibilidade da condução da forma como está. O que não se compreende é uma proteção tão grande”, desabafou o vice-governador do Amazonas.

Anúncio