Zé Ricardo e entidades solicitam investigação pelas mortes por falta de UTI e oxigênio no AM

Denúncia foi encaminhada ao Ministério Público do Estado (MPE/AM), Ministério Público Federal (MPF/AM), Procuradoria Geral da República (PGR) e ao ministro Ricardo Lewandovisk, do Supremo Tribunal Federal (STF)

Manaus – O deputado federal Zé Ricardo (PT/AM) protocolizou, juntamente com várias entidades, como Serviço Amazônico de Ação, Reflexão e Educação Socioambiental (Sares), Comissão Pastoral da Terra/AM e Associação dos Docentes da Universidade Federal do Amazonas (Adua), denúncia encaminhada ao Ministério Público do Estado (MPE/AM), Ministério Público Federal (MPF/AM), Procuradoria Geral da República (PGR) e ao ministro Ricardo Lewandovisk, do Supremo Tribunal Federal (STF), que cobra investigação e responsabilização de agentes públicos e privados, incluindo o presidente da República, o ministro da Saúde, o governador, o ex-prefeito e secretários, por tantas vidas perdidas nesse período da pandemia da Covid-19.

A denúncia tem como base a tragédia humana vivenciada recentemente no Amazonas, com as mortes cruéis e desumanas ocorridas em janeiro deste ano, tendo maior repercussão nos dias 14 e 15, e que ainda continuam, agora mais silenciosamente, que foi anunciada antecipadamente e poderia ter sido evitada.

Dezenas de pessoas morreram por falta de oxigênio nos dias 14 e 15 de janeiro, conforme veiculado pela imprensa e denúncias que chegaram ao parlamentar. Mais de 500 pacientes foram transferidos para outros estados por falta de leitos na capital e oxigênio. Foram também os dias em que a Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas (FVS/AM) registrou o recorde de mortes por Covid-19 em apenas 24h, chegando a 159; e a Prefeitura contabilizou 213 sepultamentos na capital, sendo 109 somente de Covid-19.

Deputado federal Zé Ricardo (PT/AM) (Foto: Divulgação)

“Um massacre aos direitos humanos, pela falta de assistência adequada para garantia do direito à saúde e à vida. Segundo relatos de pesquisadores, profissionais da saúde e cidadãos, pessoas morreram pela negligência ou incompetência do Governo Federal e Governo do Estado”, declarou Zé Ricardo, destacando que essa tragédia humana anunciada e tão alertada começou em Manaus e hoje se espalhou pelos municípios do interior do Estado.

Conforme os boletins da FVS/AM, somente entre o dia 31 de dezembro de 2020 e 31 de janeiro de 2021, morreram 2.971 pessoas. “E mais mortes podem ter ocorrido por essa causa dias antes do ápice da tragédia anunciada, conforme depoimentos de algumas famílias na nossa representação, que segue sob pedido de sigilo, para a proteção dessas pessoas. Por isso, cobramos a responsabilização criminal e administrativa dos agentes públicos e privados”.