Aplicativo que recomenda tratamento precoce contra Covid-19 sai do ar

O app “TrateCov”, lançado pelo Ministério da Saúde com orientações como uso da cloroquina, não está mais disponível nesta quinta-feira (21)

São Paulo – O aplicativo do Ministério da Saúde “TrateCov”, que recomenda o “tratamento precoce” a pacientes com sintomas de covid-19, saiu do ar nesta quinta-feira (21). As indicações de tratamento incluiam remédios sem eficácia comprovada contra a doença, caso da cloroquina e da hidroxicloroquina.

A lista de medicamentos é sugerida pela plataforma, que só pode ser usada por médicos, para qualquer soma de dois sintomas, mesmo se o paciente não saiu de casa ou teve contato com um infectado nas duas últimas semanas.

O aplicativo foi apresentado pelo ministro da Saúde, Eduardo Pazuello na semana passada, quando esteve em Manaus (AM), onde o sistema foi colocado em prática. A intenção era expandir para todo o Brasil.

O Ministério da Saúde explica que o TrateCov sugere o diagnóstico por meio de pontos que obedecem a “rigorosos critérios clínicos”. A indicação de uso de cloroquina e antibiótico pode ser feita até a um recém-nascido com diarreia e fadiga, pois a idade não interfere na pontuação apresentada pelo aplicativo.

Se o médico não quiser receitar o “tratamento precoce”, precisa justificar dentro do aplicativo, por exemplo, pela “recusa do paciente”, “contraindicação médica” ou “falta do medicamento”. Procurado nesta quinta-feira (21), o ministério ainda não comentou por que o app está fora do ar.

Anúncio