Brasil usará vacinas da Janssen apesar de interrupção da produção

Ministério da Saúde espera solicitação de estados para não se desfazer de 27,3 milhões de doses armazenadas do imunizante

Brasília – O Ministério da Saúde informou que pretende continuar utilizando a vacina contra a Covid-19 da Janssen, mesmo com o anúncio feito pela farmacêutica Johnson & Johnson de que a produção do imunizante será suspensa de forma temporária.

Brasil usará vacinas da Janssen apesar de interrupção da produção (Foto: William Moreira / Futura Press / Estadão Conteúdo)

No fim de 2021, a empresa decidiu fechar a fábrica que produz as doses da Janssen por questões econômicas. Apesar disso, a Johnson & Johnson disse que tem a intenção de retomar a fabricação do imunizante em alguns meses, segundo informações publicadas pelo jornal The New York Times.

No ano passado, o governo brasileiro assinou um contrato para adquirir 38 milhões de doses da Janssen, que já foram entregues. Cada dose foi negociada a US$ 10 (US$ 380 milhões, o equivalente a cerca de R$ 2 bilhões pela cotação do dólar nesta quarta-feira). Segundo o Ministério da Saúde, o país só pagaria à empresa pelas vacinas que fossem aplicadas. Além da quantidade comprada, o Brasil recebeu uma doação dos Estados Unidos de 3 milhões de doses.

Até o momento, cerca de 13,7 milhões de vacinas da Janssen, ou 33% do total de doses à disposição, foram usadas. De acordo com a pasta, 27,3 milhões de doses ainda estão armazenadas.

A Saúde diz que aguarda a solicitação dos estados para que esses imunizantes sejam utilizados. A pasta não vai descartar as doses por entender que elas podem reforçar a campanha de vacinação contra a Covid-19. Contudo, o imunizante da Janssen só poderá ser aplicado enquanto durar a situação emergencial da pandemia, já que não há registro definitivo para essa vacina junto à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Anúncio