Doenças e acidentes de trabalho causam enormes problemas e precisam de mais atenção

A cada minuto, uma pessoa se machuca no Brasil durante o serviço. Fisioterapeuta do trabalho dá dicas de segurança

Manaus – A saúde ocupacional deveria ser uma preocupação constante para o empresário e para o trabalhador. No dia 7 de abril, é comemorado o Dia Mundial da Saúde e, no 28, o Dia Mundial em Memória das Vítimas de Acidentes e Doenças do Trabalho. Partindo dessas duas importantes datas, o mês em que estamos foi escolhido para conscientizar as pessoas quanto aos riscos ocupacionais. É o Abril Verde.

Os números de doenças ou acidentes relacionados ao trabalho é assustador. A cada minuto, uma pessoa se machuca no Brasil durante o serviço. A Previdência Social registrou, em 2018, 576 951 acidentes de trabalho. E esse dado inclui apenas funcionários com registro formal. Se considerarmos os trabalhadores informais e autônomos, o número pode ser até sete vezes maior, chegando aos 4 milhões por ano.

A Previdência Social registrou, em 2018, 576 951 acidentes de trabalho (Foto: Divulgação)

As despesas com esses problemas são astronômicas. Segundo um estudo do professor José Pastore, da Universidade de São Paulo, elas atingem os 70 bilhões de reais ao ano. Oficialmente, a Previdência Social desembolsou, só em 2018, cerca de 12 bilhões de reais.

Como a fisioterapia ajuda a empresa?

O fisioterapeuta do trabalho e/ou ergonomista visa melhorar a saúde e qualidade de vida do colaborador dentro e fora do ambiente do trabalho. Um colaborador feliz faz uma empresa lucrativa.

O aumento da produtividade, a redução no número de afastamentos, a melhora no ambiente de trabalho é imediatamente percebida. Além disso, há uma melhora da imagem da companhia perante à sociedade

Portanto, não será um gasto que a empresa terá ao implantar uma política de cultura de saúde, e sim um investimento, com retorno garantido!

Dentre as atividades que o fisioterapeuta desenvolve no ambiente empresarial, temos:

  • Programas de terapia laboral, individual e em grupo
  • Análise de ambientes para prevenir desconfortos e queixas relacionadas ao trabalho (juntamente com os profissionais de saúde ocupacional)
  • Promoção de palestras de conscientização
  • Aplicação de ginástica laboral
  • Acompanhamento do tratamento de doenças ocupacionais
  • Apoio em problemas judiciais ligadas à DORT/LER (Doenças Osteomusculares Relacionadas ao Trabalho/Lesão por Esforço Repetitivo).

Eu gostaria de destacar a ergonomia, que visa adaptar o ambiente de trabalho a quem o utiliza, de forma a melhorar seu rendimento e minimizar os riscos de acidentes ou doenças ocupacionais. Esse estudo observa três vertentes: a ambiental, a organizacional e os aspectos técnicos.

No ambiente, aferimos a temperatura, a iluminação, intensidade dos ruídos e a qualidade do ar.

No lado organizacional, é analisado o ritmo de trabalho, a quantidade e duração das pausas e a divisão de tarefas.

Já os aspectos técnicos envolvem mobiliário, máquinas e equipamentos.

Outra atividade que pode ser implementada pela fisioterapia é a ginástica laboral. Ela desenvolve exercícios físicos voltados à atividade laboral que o colaborador executa no próprio posto de trabalho, prevenindo e preparando a musculatura.

Quais os benefícios para o trabalhador?

São muitos: ganho de eficiência nas atividades, redução na sensação de cansaço, prevenção ou tratamento adequado de doenças ocupacionais, melhora na saúde e qualidade de vida…

Psicologicamente, os ganhos também são grandes. Pensar na saúde do colaborador ajuda a evitar depressão, ansiedade e estresse, além de aprimorar a concentração e o foco (o que inclusive diminui o risco de acidentes).

Mas como eu consigo perceber se corro risco de desenvolver alguma doença ocupacional? Fique atento principalmente a sintomas como dores musculares, de cabeça ou nos olhos e alterações de sono. Eles indicam que algo está fora do lugar.

Outros sinais suspeitos, principalmente para os trabalhadores em home-office, são queda de produtividade, cansaço excessivo e alteração de humor. No trabalho em casa, os colaboradores perdem a referência de tempo e das pausas necessárias. No mais, deixam de interagir socialmente, o que pode prejudicar seu rendimento.

Dicas durante o expediente

Se você está trabalhando em home-office (ou mesmo no escritório), siga os passos abaixo:

  1. Faça pausas de dez minutos a cada hora trabalhada
  2. Durante a pausa, caminhe pelos cômodos, mas evite mexer em aparelhos eletrônicos. E olhe para o horizonte: isso ajuda a relaxar os olhos e evitará dores de cabeça.
  3. Alongue o pescoço, puxando contra cada ombro, contra o peito e para trás. Segure por 5 segundos de cada lado. Ao final, gire o pescoço para a direita e depois para a esquerda.
  4. Alongue os braços esticados, puxando as mãos para cima e para trás e para baixo e para trás.
  5. Puxe os braços esticados, levando o cotovelo contra o peito.
  6. Dobre os braços, pegue o cotovelo e com a mão tente pegar o meio das suas costas, empurrando o cotovelo no sentido da sua cabeça.
  7. Com as pernas esticadas, tente tocar o solo com as mãos, sem dobrar as pernas. Sustente a posição por 5 segundos.
  8. Com as pernas abertas na distância dos ombros, rode o corpo da cintura para cima, para direita e para a esquerda, olhando para trás. Segure por 5 segundos de cada lado.
  9. Em pé, apoie-se no batente de uma porta, dobre sua perna e pegue a ponta do pé. Então, puxe-a contra o seu bumbum. Segure por 5 segundos de cada lado.
  10. Ainda apoiado no batente da porta, coloque a ponta do pé no batente o mais alto possível, mantendo o calcanhar no chão. Com a perna esticada, leve seu corpo contra o batente da porta. Você sentirá puxar a panturrilha. Segure por 5 segundos de cada lado.

Lembre-se: não há necessidade de fazer todos esses exercícios em cada intervalo. Você pode distribuí-los ao longo das pausas. Mas, quanto mais exercícios, menor o risco de algum problema muscular.

E, sempre que precisar, consulte um fisioterapeuta de sua confiança! Estamos aqui para ajudar.

Anúncio