Doenças Inflamatórias Intestinais são pouco conhecidas entre os amazonenses

Em Manaus, o cirurgião proctologista Raul Costa realiza a avaliação de pacientes com DII

Manaus – Um grupo de aproximadamente cem pessoas sofre, em Manaus, com DII, sigla para as Doenças Inflamatórias Intestinais, que são pouco conhecidas entre os amazonenses. Para diagnosticá-la, é necessário a avaliação de um especialista.

(Foto: Divulgação)

Na capital amazonense, o médico Raul Costa, que é cirurgião proctologista, acompanha um grupo diagnosticado com DII. Segundo o especialista, a causa específica da doença ainda não foi encontrada, porém, existem algumas relações para o desenvolvimento da inflamação: genética, questão alimentar e o fator emocional.

Sintomas

Os sintomas que revelam as Doenças Inflamatórias Intestinais são: diarréia persistente acima de 21 dias, acompanhada de catarro e sangramento; cólicas intestinais frequentes; dores abdominais e alteração do hábito intestinal.

blank

Atualmente, há dois tipos de tratamento para as DIIs (Foto: Divulgação)

Jovens entre 30 a 40 anos estão entre os mais acometidos pela doença, que atinge também crianças e idosos, em proporções menores.

Classificação

As DIIs principais estão classificadas em Retocolite Ulcerativa e Diopática e a Doença de Crohn. A diferença está no comportamento do fenótipo das mesmas. A Retocolite compromete as mucosas do paciente e todo o intestino grosso, enquanto a Doença de Crohn é transmural, além de comprometer a mucosa causa um ferimento no intestino comprometendo o indivíduo da boca ao ânus.

blank

(Foto: Reprodução)

Para o médico Raul Costa, em pacientes com Retocolite Ulcerativa Diopática, a intervenção cirúrgica minimiza os transtornos causados pela mesma. Já a Doença de Crohn é mais complexa por conta de sua extensão.

Tratamento

Atualmente, há dois tipos de tratamentos para as DIIs. O primeiro é o Step Up, que inicia com as medicações anti-inflamatórias, seguido de Corticóides, Imunosupressores, que são concluídos com Imuno biológicos, considerados como as últimas classes terapêuticas aplicadas.

O SUS mantém um programa que distribui os medicamentos gratuitamente, mediante laudo e prescrição do médico especialista.

O especialista alerta que as DIIs são doenças que não têm cura, e com a evolução do quadro do paciente, é possível o surgimento de um câncer no intestino.

Manifestações extra-intestinais também estão na lista dos perigos da doença, o comprometimento do globo ocular por meio de inflamações, doenças articulares e dermatites.

Em Manaus, a Rede Pública de Saúde oferece atendimento para os pacientes de DII: o Hospital Universitário Getúlio Vargas (HUGV) e a Policlínica Codajás (PAM), onde existem espaços específicos para tratar as DIIs.

Serviço:
Dr. Raul Costa – Coloproctologia
Endereço: Avenida Djalma Batista, sala 1.105, Edifício Millennium Center Medical Tower
Telefone: 98101-2223

Anúncio