Especialista alerta para o alto índice de doenças meningocócicas no Amazonas

Nos últimos dois anos e meio, infecções do tipo mataram 25 pessoas, no Estado, conforme levantamento do Ministério da Saúde. No mesmo período, 182 pessoas foram internadas

Manaus – Nos últimos dois anos e meio, 182 pessoas foram internadas com doenças meningocócicas, segundo dados do Ministério da Saúde. As infecções do tipo mataram 25 pessoas, no Estado, conforme o levantamento federal, também entre janeiro de 2015 e julho deste ano. Especialista alerta que a incidência pode estar ligada à negligência da população exposta à doença.

A Doença Meningocócica Invasiva (DMI) é causada pela bactéria meningococo (Neisseria meningitidis). Geralmente, conforme o Ministério da Saúde, ela se manifesta como meningite, que é uma infecção das membranas que envolvem não só o cérebro como também a medula espinhal. Outra forma mais grave da doença é uma infecção do sangue, chamada de meningococcemia.

Vacinas para a prevenção das doenças estão previstas nas redes públicas e particulares (Foto: Wilson Dias/Agência Brasil Divulgação)

Para o gerente médico da companhia farmacêutica Glaxo Smith Kline (GSK), Celso Freitas, a incidência está relacionada, muitas vezes, à negligência da população em se prevenir da doença e observar preventivamente sintomas das infecções. “Infelizmente, as pessoas não se vacinam tanto quanto deveriam. A gente vê mais as crianças sendo vacinadas”, disse Freitas, acrescentando que os adultos não costumam acreditar que também podem ficar doentes pelas infecções meningocócicas. Parte das vacinas para prevenir doenças meningocócicas está disponível na rede pública de saúde.

Entre janeiro de 2015 e julho deste ano, os dados do Ministério da Saúde apontam que a maioria dos pacientes com as doenças meningocócicas são homens. Dos pacientes com esse tipo de infecção, 102 eram homens e 80 eram mulheres. Em relação à faixa etária, as doenças meningocócicas atingiram mais pessoas com idade entre 15 e 29 anos.

Como a meningite pode matar em alguns dias, Freitas aponta que os sintomas desse tipo de doença devem ser de amplo conhecimento da população. Os sintomas incluem dor de cabeça muito forte e constante, rigidez no pescoço, febre, irritabilidade, perda de apetite, náusea e vômito.

Como os primeiros sintomas não são muito específicos, o diagnóstico inicial da doença meningocócica normalmente é clínico e dificultoso, feito por exclusão de outras doenças. No laboratório, o diagnóstico é realizado a partir da análise e cultura de amostras de sangue e de líquor (cérebro-espinhal), com resultado entre um a três dias.

Vacinas

Atualmente existem três tipos de vacinas diferentes disponíveis no Brasil para imunização ativa contra os principais causadores da doença meningocócica. Na rede pública de saúde, a vacina Meningocócica C está disponível gratuitamente no Programa Nacional de Imunização (PNI), para crianças com menos de 4 anos e adolescentes de 12 a 13 anos.

Na rede particular, está disponível a vacina Meningocócica ACWY, nas clínicas de vacinação privadas, sendo que um dos dois tipos é indicado para lactentes a partir dos 2 meses de idade e a outro a partir de um ano de idade. Outra vacina é a meningocócica B que é indicada a partir dos dois meses aos 50 anos de idade.

Anúncio