Especialista dá dicas de autocuidado e saúde mental para gestores

Dentro das companhias, a saúde mental dos gestores é um tópico que merece atenção. Afinal, são eles que guiam a equipe na tomada de decisão

São Paulo – É certo que a pandemia de Covid-19 trouxe mudanças significativas em diversos setores. No âmbito profissional, um novo conceito tem sido cada vez mais colocado em pauta: a saúde mental dos profissionais.

Dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) apontam que o Brasil é o país com o maior número de pessoas ansiosas no mundo, com 9,3% da população, o equivalente a mais de 18 milhões de pessoas com esse transtorno.

Dentro das companhias, a saúde mental dos gestores é um tópico que merece atenção. Afinal, são eles que guiam a equipe na tomada de decisão (Foto: Divulgação)

Dentro das companhias, a saúde mental dos gestores é um tópico que merece atenção. Afinal, são eles que guiam a equipe na tomada de decisão e no bom andamento do trabalho.

“Os líderes e gestores são referência para os demais. Um líder bem-preparado, estimula a proatividade e a confiança da equipe”, afirma Lucas Padilha, gerente de seleção da Luandre Middle, divisão da consultoria Luandre, especializada no atendimento de posições estratégicas de média e alta gestão.

Para que esses líderes se sintam cada dia mais capacitados para gerir suas equipes, o especialista dá dicas fundamentais, que ajudam nos cuidados com a saúde mental desses profissionais.

  • Escuta e acolhimento

Para descobrir como os gestores têm lidado com esse novo momento, um dos primeiros passos é escutar suas dores e dar suporte para a solução de problemas.

Lucas ressalta a importância de contratar psicólogos, que possam contribuir com o processo de escuta desses profissionais – “toda companhia precisa de uma divisão especializada em saúde e bem-estar, para dar suporte sempre que necessário”.

  • Atenção às reuniões

Fazer diversas reuniões ao longo da semana pode ser extremamente exaustivo. Para Lucas, o alinhamento semanal com a equipe é fundamental, mas deve haver um cronograma pré-definido.

“Além de otimizar o tempo, pode diminuir o estresse e ansiedade ocasionados pelo excesso de reuniões online”, afirma Lucas.

  • Manter-se ativo

A prática de atividade física libera serotonina e endorfina. Estudo da Escola de Saúde Pública de Harvard descobriu que apenas 15 minutos de caminhada ao dia reduzem os riscos de depressão em 26%. Isso não significa necessariamente fazer musculação ou praticar esportes, mas é importante manter-se ativo.

Além de praticar exercícios físicos, a inclusão de atividades, como caminhar depois de almoçar, subir e descer escadas e fazer alongamentos, contribui muito.

  • Pausas ao longo do dia

Fazer pequenas pausas ajuda a aumentar a produtividade e reduzir a tensão.

“Pequenos intervalos de até cinco minutos para se alongar, pegar um café ou uma água, já contribuem para a melhora do foco e da produtividade, que, consequentemente, contribuem para a saúde mental”, diz Lucas.

  • Resiliência

A transição do encontro presencial para o online é difícil para muitas pessoas. Por isso, é necessário exercitar a capacidade de resiliência frente a mudanças que ainda estão sendo absorvidas.

“O distanciamento ainda é um desafio para os acostumados a uma rotina em escritório, em que podiam encontrar a equipe presencialmente. Muitos souberam se adaptar rapidamente, outros ainda estão em processo e o RH é fundamental para ajudá-los nesse novo modelo de gestão”, conclui.

Anúncio