Novo boletim destaca dois novos casos de ‘Doença da urina preta’ após 20 dias

A síndrome, associada à Doença de Haff é uma doença ainda em estudo que segue padrões rígidos de verificação

Manaus – O novo boletim epidemiológico de rabdomiólise associada à Doença de Haff (conhecida popularmente como Doença da Urina Preta) destaca a notificação de apenas dois casos em um período de 20 dias. São 134 casos notificados, sendo 77 compatíveis e 57 descartados pela Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas – Drª Rosemary Costa Pinto (FVS-RCP).

Os dois novos casos foram registrados nos últimos 20 dias (22/12 a 11/01) em Itacoatiara (a 176 quilômetros de Manaus), pela equipe do Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde do Amazonas (CIEVS-AM), coordenado pela FVS-RCP. Confira o boletim.

(Foto: Divulgação)

Os casos considerados compatíveis foram notificados em 10 municípios, sendo eles: Itacoatiara (46), Parintins (12), Manaus (6), Urucurituba (4), Silves (3), Maués (2), Manacapuru (1), Itapiranga (1), Autazes (1) e Caapiranga (1).

Destes, três casos evoluíram para óbito e ocorreram em Itacoatiara, sendo duas mulheres, de 51 e 68 anos, e um homem, de 49 anos. Os óbitos ocorreram em agosto, outubro e dezembro, respectivamente.

Os casos são predominantemente de homens, o que representa 61% (47/77) dos casos, e a faixa etária de 40 a 59 anos foram os mais acometidos, totalizando 40% (31/77) dos casos, seguido pela faixa etária acima de 60 anos, com 23% (18/77). Os peixes consumidos pelos casos compatíveis com a Doença de Haff são: tambaqui, pacu e pirapitinga. A maioria (97%) dos pescados relacionados à síndrome são peixes de vida livre.

O diretor-técnico da FVS-RCP, Daniel Barros, enfatiza que a notificação de apenas dois casos de rabdomiólise em mais de 15 dias indica redução de casos compatíveis, mas enfatiza que a rede de vigilância em saúde está sensível aos casos. “Todas as secretarias municipais de saúde estão preparadas para reconhecer e notificar os casos imediatamente”, afirma.

De acordo com a coordenadora do CIEVS-AM, Josielen Amorim, a síndrome de rabdomiólise, associada à Doença de Haff (que é a investigada no Amazonas), é uma doença ainda em estudo que segue padrões rígidos de verificação. “A investigação acerca dos casos é extremamente criteriosa, devido à síndrome ter causas diferentes que vão além da ingestão de peixes”, destaca.

Força-tarefa 

O grupo de trabalho de investigação é composto pela FVS-RCP; Secretaria de Estado de Saúde (SES-AM); Fundação de Medicina Tropical Dr. Heitor Vieira Dourado (FMT-HVD); Agência de Defesa Agropecuária e Florestal do Estado do Amazonas (Adaf); Secretaria de Estado da Produção Rural (Sepror); Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa); Universidade Federal do Amazonas (Ufam); Universidade Estadual do Amazonas (UEA);  Instituto Leônidas e Maria Deane (Fiocruz-Amazônia); Instituto Nacional de Pesquisas na Amazônia (Inpa); e Superintendência Federal de Agricultura no Amazonas (SFA/AM), do Ministério da Agricultura e Ministério da Saúde.

Anúncio