OMS: apesar de mais reinfecções, Ômicron não é grave como a Delta

A fim de obter quadro mais preciso, diretor da organização incentivou países a contribuírem com a avaliação da nova variante

São Paulo – O diretor-geral da OMS (Organização Mundial da Saúde) declarou nesta quarta-feira (8) que a variante Ômicron do coronavírus parece apresentar uma taxa maior de reinfecções, mas causa sintomas menos graves.

(Foto: Divulgação / USP)

“Os dados preliminares da África do Sul sugerem um risco aumentado de reinfecção pela Ômicron, mas são necessários mais dados para tirar conclusões mais fortes. Também há evidências que sugerem que a Ômicron causa sintomas menos graves do que a Delta”, disse Tedros Adhanom Ghebreyesus em um encontro com a imprensa em Genebra.

A cientista-chefe da OMS, Soumya Swaminathan, também se referiu a estudos preliminares publicados nos últimos dias que parecem mostrar que a variante Ômicron torna a vacina Pfizer/BioNTech menos eficaz, mas pediu o máximo de cautela na interpretação dos dados.

“Há uma grande variação na redução da eficácia dos anticorpos que vai de quatro a cinco vezes menos a 40 vezes menos nesses diferentes estudos”, que se limitam ao seu efeito sobre os anticorpos, “quando sabemos que o sistema imunológico é algo muito mais complexo”, ressaltou.

Anúncio