Pães, massas e até algumas frutas comprometem a saúde de diabéticos

No Brasil, segundo o MS, houve um aumento de 61,8% no registro de casos de diabete em dez anos. A International Diabetes Federation estima que, até 2035, 19 milhões de brasileiros terão a doença

São Paulo – No Brasil, de acordo com dados do Ministério da Saúde (MS), houve um aumento de 61,8% no registro de casos de diabete em dez anos. A International Diabetes Federation estima que, até 2035, 19 milhões de brasileiros terão a doença. Na última quarta-feira, foi celebrado o Dia Mundial de Luta contra o Diabete. Especialistas estão preocupados, também, com o alto índice de pacientes com pré-diabete. É um estágio anterior da doença, que mostra um risco alto de desenvolvê-la.

Especialistas estão preocupados, também, com o alto índice de pacientes com pré-diabete (Foto: Reinaldo Okita/Arquivo DA)

“Os pacientes com quadro de pré-diabete devem mudar o estilo de vida, principalmente, no que diz respeito aos hábitos alimentares e à prática de atividades físicas. Alguns fatores de risco também podem contribuir para o desenvolvimento da doença, tais como idade acima dos 45 anos, excesso de peso, sedentarismo, hipertensão, entre outros”, alerta a endocrinologista Lívia Marcela, mestre em Endocrinologia pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).

Receber o diagnóstico de diabete não é fácil. Por vezes, o paciente tem a sensação de que nunca mais poderá comer nada – o que é um mito. O segredo está na distribuição de alimentos, na dieta com moderação e na monitoração da glicemia.

O produto mais conhecido como o ‘vilão’ para diabéticos é o açúcar. Mas ele é o causador da doença? Lívia Marcela responde: “O consumo de açúcar isoladamente não pode ser apontado como causa da obesidade, diabete ou outras doenças graves. O paciente deve ter uma dieta individualizada, mas com o controle da ingestão de carboidratos, sobretudo os simples”, explica.

Em outubro, o ministro da Saúde, Gilberto Occhi, anunciou um acordo com a indústria de alimentos processados para a redução do nível de açúcar em vários produtos. A proposta inclui iogurtes, achocolatados, sucos em caixinha, refrigerantes, bolos e biscoitos. “Cada um terá um nível de redução de açúcar, que será estabelecido até 2021”, disse Occhi, na ocasião.

Para a endocrinologista, avaliar a quantidade de açúcar nos alimentos é uma tarefa bem difícil. “Não conseguimos ver o açúcar nos alimentos e até mesmo alimentos salgados possuem uma quantidade exagerada de açúcar. O consumo de açúcar não deve exceder 10% do total de calorias diárias. Alguns alimentos foram listados com suas quantidades de açúcar”, disse.

Entre os alimentos que podem se tornar vilões da saúde, está o biscoito amanteigado. Cada biscoito contém uma colher de açúcar. Já um quadradinho de chocolate contém meia colher de açúcar.

Outro ‘vilão’ é o petit gateau, que pode conter sete colheres de açúcar em sua composição. A mesma medida vale para o refrigerante, também com sete colheres de açúcar.

Os folhados doces têm de duas a três colheres de açúcar. Além disso, a massa folhada torna esse tipo de alimento bastante gorduroso por levar muita manteiga na receita.

Esses são só alguns alimentos que contêm o açúcar “oculto”. A questão importante: você sabe quantas colheres de açúcar consome por dia?

Anúncio