Saúde pretende regularizar situação de médicos cubanos no Brasil

De acordo com o Ministério da Saúde, cerca de 2 mil profissionais permaneceram no País após o rompimento do governo de Cuba com o Programa Mais Médicos

Brasília –O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, disse nesta quarta-feira (27) que a pasta pretende regularizar a situação de cerca de 2 mil médicos cubanos que permaneceram no Brasil após o rompimento do governo de Cuba com o Programa Mais Médicos. “Estão numa condição de exilados”, destacou.

Em audiência pública na Comissão de Assuntos Sociais do Senado, Mandetta explicou que a ação integra uma proposta, ainda em elaboração, de reformulação do Mais Médicos. A previsão, segundo ele, é que o pacote seja enviado ao Congresso Nacional em abril.

“Devemos ter uma proposta de como essas pessoas podem se reencontrar com a sua profissão, legalizados, e poder exercer sua profissão, já que eles são muito mais vítimas dessa negociação que foi feita entre países do que propriamente atores de algum ato que os colocasse dentro do País em situação irregular.”

“Temos uma série desses profissionais hoje trabalhando em secretarias de saúde, trabalhando como balconistas de farmácia, agentes comunitários. Talvez eles possam, com certeza, legalizar a sua situação profissional e podem ser sim uma opção de trabalho num País livre e democrático”, concluiu.

Mandetta disse nesta quarta-feira (27) que o Ministério da Saúde pretende regularizar a situação de cerca de 2 mil médicos cubanos que permaneceram no Brasil (Foto: José Cruz/Agência Brasil)