Alienígenas podem estar usando luz estelar para se comunicar, diz físico

O físico defende que os extraterrestres usariam fótons emaranhados de estrelas diferentes para transmitir suas mensagens

EUA – O professor de física quântica do Imperial College de Londres, Terry Rudolph, apresentou uma teoria bastante, digamos, ousada, sobre a luz estelar. Para o físico, a luz emitida pelas estrelas pode ser uma forma encontrada por civilizações alienígenas avançadas para se comunicarem a grandes distâncias, como um sinal de fumaça interestelar.

Alienígenas podem estar usando luz estelar para se comunicar, diz físico. (Imagem; Divulgação)

A tese de especialista foi publicada na semana passada no servidor de preprints ArXiv. Nnela, o físico defende que os extraterrestres usariam fótons emaranhados de estrelas diferentes para transmitir suas mensagens, que pareceriam apenas um brilho aleatório para qualquer observador desavisado que olhe para o céu noturno.

Para Rudolph, isso seria tecnicamente possível do ponto de vista da física, mas é apenas uma especulação quando falamos sobre tecnologia alienígena. Porém, ele defende que toda e qualquer comunicação que, em tese, utilize estrelas para funcionar, “pode ​​ser tornada, em princípio, indiscernível para aqueles excluídos da conversa”.

Sendo assim, caso tenha havido uma civilização ultra tecnológica fora dos limites da Via Láctea, a comunicação por meio de luz estelar, nos moldes que Rudolph propôs, pode ser a explicação para o fato de não encontrarmos nenhuma evidência de vida fora da Terra até agora.

Porém, em sua conclusão, Terry Rudolph diz que a espécie humana não deve se sentir tão mal por não conseguir desenvolver um meio de comunicação que utilize a luz estelar para funcionar. Para ele, caso alienígenas ainda estejam por aí, é possível que eles tenham evoluído para explorar a física quântica de uma maneira diferente.

“O emaranhamento, em nossa experiência, só se manifesta quando o mais inteligente de nossa espécie o captura e protege apropriadamente em experimentos controlados e delicados”, escreveu Rudolph em seu ensaio. “No entanto, uma vez que se compreende o quão incrivelmente robusto, abrangente e útil é o emaranhamento fotônico, a questão é invertida”, continua o físico.

(Olhar Digital)

Anúncio