Confira as tendências para as mídias sociais em 2022

É importante estar atento às tendencias que devem nortear as redes neste novo ano

Manaus – Com um mundo cada vez mais conectado, não há como imaginar um 2022 sem considerar o impacto que as redes sociais têm não apenas nas relações interpessoais, mas também no âmbito dos negócios. A presença digital é uma realidade cada vez maior para pessoas físicas e jurídicas e é importante estar atento às tendencias que devem nortear as redes neste novo ano.

Imagem: Pixabay

Podcasts em alta

Neste ano, tivemos uma ascensão no número de podcasts no Brasil. Disponibilizado em plataformas como Spotify, Deezer e outros, os episódios vão ao ar em formatos, duração e dias diferentes. Eles podem tratar de assuntos diversos como saúde, entretenimento, notícias, documentários e outros, atraindo cada vez mais público e interessados.

Com isso, já tem gente de olho nessa fatia do mercado. Lorenzo Bazei, um nome consolidado no poker online, destacou que pretende criar um podcast de entrevistas ao estilo do também jogador de poker Olivier Busquet. O espaço existe, já que a lista dos podcasts mais ouvidos em 2021 mostra a diversidade de estilos. Em primeiro lugar veio o Horóscopo Hoje, seguido de Mano a Mano, Flow Podcast, Primocast e Café da Manhã.

Os podcasts são até mesmo apontados como uma das principais tendências até para o mercado jurídico, já que o material em áudio foi bastante procurado em 2021 e pode ser ouvido a qualquer instante do dia. Além disso, esse espaço alcança um público maior que pode se atualizar sobre assuntos da área e abrir-se para um diálogo real sobre os vários pontos de vista.

blank

Imagem: Pixabay

TikTok e os vídeos curtos

Quando surgiu, o Tiktok alcançou rapidamente o grupo jovem por causa de seus conteúdos despojados e opções rápidas de edição e tutoriais acessíveis para quem estava começando. A ferramenta acabou por influenciar inclusive outras plataformas como o Instagram, que busca ampliar um espaço parecido com o Reels. O impacto em 2021 foi tão grande que os influenciadores da rede arrecadaram cerca de R$ 312,8 milhões, o que significa um crescimento de mais de 200%.

Atualmente, o número de usuários, que avança para mais de 1 bilhão em todo o mundo, também vem atraindo um público que não se resume apenas àquele que busca danças da moda ou esquetes rápidos. Muitos influenciadores veem na plataforma uma maneira de lucrar. Sabendo que a aceitação de conteúdos práticos e de rápida absorção são cada vez mais bem vindos, os criadores de conteúdo têm investido vender seu produto nessa plataforma.

A maquiadora Avani Gregg, por exemplo. Hoje, aos 19 anos, ela posta vídeos onde se maquia e que frequentemente viralizam. Outro exemplo é a empreendedora Marcela Vilela, que aproveitou o espaço e 50 mil seguidores para ampliar os negócios de sua loja virtual. Seu modelo de vídeo inclui mostrar seu modo de produção e potencializar as vendas. Com opções para diversas camadas de conteúdo e público, espera-se que os vídeos curtos de plataformas como o Tiktok, Instagram e até Youtube cresçam ainda mais em 2022.

blank

Imagem: Pixabay

Pequenos influenciadores que trazem um grande público

Ser influencer se tornou um sonho para muitos jovens no lugar de profissões clássicas. Existem até mesmo guias que apontam passos para se tornar um. Engana-se, no entanto quem pensa que é fácil se tornar um bom influenciador sem estudar bem o marketing digital. Viralizar algo pode ser tão rápido quanto o esquecimento, caso não haja um planejamento para os próximos passos. Embora os grandes números possam enganar, chegar a ser um grande influenciador de marcas famosas não é um caminho fácil para quem está começando do zero.

Porém, em meio a um mercado com tantos influencers famosos e que cobram fortunas por espaço no feed ou stories, surge um novo interesse: os pequenos influenciadores. Mas quem são eles? São aqueles perfis que possuem canais no youtube, instagram ou outra rede social que possuem menos seguidores do que os mais famosos, porém passam credibilidade no que dizem e tem um público fiel. Eles podem ter menos gente seguindo, mas com nichos específicos, podem vender mais do que um influencer grande com pouco engajamento.

Com isso, grandes empresas já estão colocando em suas estratégias a contratação de quem possui um público que confia e pode fazer uma campanha local (seja em uma cidade específica ou para um público específico como professores, cabeleireiros ou donas de casa, por exemplo). Além disso, leva-se em conta que contratar um influenciador menos famoso também acaba pesando menos no orçamento, além de todo contato ser feito de maneira mais personalizada. Todo esse processo torna a relação aparentemente menos comercial e mais pessoal, rendendo lucro para ambas as partes.

blank

Imagem: Pixabay

Essas são apenas algumas das tendências que estão vindo com tudo em 2022. Mas sabemos o quanto o marketing é volúvel e pode mudar de acordo com a necessidade. A principal tendência sempre vai ser a mesma: ficar de olho em todos os movimentos, redes e possibilidades que vão surgindo dia após dia.

Anúncio